Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Villareal é multado em 12 mil euros por gesto racista de torcedor contra Daniel Alves

media Daniel Alves come a banana lançada contra ele, antes de bater o escanteio.

O clube espanhol Villarreal foi multado em 12 mil euros, cerca de 37 mil reais, pelo ato do torcedor que jogou uma banana contra o brasileiro Daniel Alves, do Barcelona, no dia 27 de abril. O gesto provocou protestos contra o racismo nos estádios na Espanha e teve forte repercussão nas redes sociais.

O comitê de competição, o órgão disciplinar da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), se limitou a punir financeiramente o clube, sem determinar o fechamento do estádio. O órgão destacou a "louvável e firme decisão do clube de proibir, para o resto da vida, a entrada do torcedor" responsável pelo ataque. Na partida, o Barcelona derrotou o Villarreal por 3-2.

O ato racista aconteceu quando Daniel Alves, 30 anos, se preparava para bater um escanteio. Uma banana caiu no gramado ao lado do brasileiro. Sem falar nada, o brasileiro pegou a fruta, descascou, comeu e prosseguiu com a partida.

A onda de indignação com o episódio levou a polícia espanhola a deter o torcedor uma semana mais tarde. Ele foi identificado como David Campayo Lleo e indiciado, no dia 30, pelo delito de violação dos direitos fundamentais e liberdades públicas, reconhecido no artigo 510 do código penal espanhol.

Apesar da reação das autoridades espanholas, no domingo passado, o senegalês Pape Diop, do Levante, denunciou ter sido alvo de gritos de macaco durante a partida contra o Atlético de Madrid (vitória do Levante por 2-0).

Campanha online

Outros jogadores como o zagueiro brasileiro do Bétis, Paulão, e o lateral francês do Granada Allan Nyom também foram vítimas de agressões racistas nos estádios espanhóis recentemente. Depois do protesto, Daniel Alves disse que "a gente tem mais é que rir de uma atitude dessas". O gesto do brasileiro acabou imitado por celebridades, de Neymar a Luciano Huck, e virou até uma campanha na internet sob a hashtag #somos todos macacos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.