Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Brasil é campeão mundial de handebol feminino pela 1ª vez na história

media Brasileiras entram para a história como primeira seleção da América Latina a conquistar a medalha de ouro no mundial de handebol. www.brasilhandebol.com.br

A seleção brasileira de handebol entrou para história ao vencer neste domingo a Sérvia por 22 a 20 na final do Mundial de handebol disputada em Belgrado, casa das adversárias. Além de conquistar o título mundial inédito para o país, a seleção brasileira se tornou a segunda nação não europeia e a primeira da América Latina a conquistar a medalha de ouro na competição.

 Após o apito final, a festa foi verde amarela na Arena de Belgrado, lotada com mais de 18 mil torcedores. A vitória na final selou uma campanha invicta. Na primeira fase, as brasileiras enfrentaram a sérvias pela primeira vez e venceram por 25 a 23.  A final foi inédita já que as duas seleções nunca haviam disputado o título.

O Brasil começou a partida impondo um ritmo forte, abriu o placar com Fernanda Silva e chegou a ampliar a vantagem para 5 a 3 nos primeiros sete minutos, ignorando o apoio dos torcedores da equipe local. Aos poucos, a defesa sérvia foi conseguindo bloquear as investidas do Brasil e a equipe chegou a virar em 9 a 8, a única vez em que as sérvias ficaram à frente do marcador.

Contando com boas atuações de Ana Paula e os 7 metros certeiros de Alexandra Nascimento, o Brasil engatou e virou o placar para  fechar o primeiro tempo com 13 a 11.

No segundo tempo, a seleção brasileira manteve o ritmo e apesar de jogar com uma a menos, logo nos primeiros minutos com a expulsão de Fernanda Diniz, soube se defender e em seu melhor momento na partida, o Brasil chegou a abrir 5 gols de vantagem com o placar de 16 a 11.

As boas defesas de da goleira Tomasevic permitiram a reação da Sérvia que voltou a encostar e chegou ao empate em 20 a 20. O treinador do Brasil,  Morten Souak, pediu  tempo técnico para acertar a equipe em um momento delicado da final. Seus gritos para que as jogadoras voltassem a ter garra e compromisso dentro de quadra deram resultado e a nos últimos 4 minutos, as meninas tiveram cabeça fria e conseguiram marcar os dois gols que selaram a vitória.

O Brasil ainda terminou o Mundial com duas atletas escolhidas como as melhores da competição em suas posições: a goleira Bárbara Arenhart e a ponteira Duda, que ganhou o título de jogadora "mais valiosa". 

Disputa pelo bronze

A Dinamarca, ex-potência mundial do handebol feminino, garantiu o terceiro lugar no Mundial ao vencer a Polônia por 30 a 26. Foi a primeira medalha internacional da equipe em 9 anos. Depois de 3 títulos consecutivos, (1996, 2000 e 2004), as dinamarquesas não haviam subido mais ao pódio, embora tenham chegado bem perto.

Em 2011, no Mundial realizado no Brasil, a Dinamarca ficou em 4° lugar depois da derrota para a Espanha na disputada pelo bronze.

A seleção se prepara para atingir seu objetivo prioritário que é ficar com o título do próximo mundial que será disputado em casa, em 2015.

Diante da Polônia, no jogo deste domingo em Belgrado, a Dinamarca fez um jogo espetacular de recuperação. No intervalo do primeiro tempo, a equipe estava em desvantagem de 12 – 15. Depois de um ajuste defensivo para bloquear as adversárias, e com a goleira Rikke Poulsen inspirada, com 13 defesas, a equipe se acertou e virou o placar. Outro destaque foi Kristina Kristiansen que marcou 10 gols.

Apesar da derrota, o 4° do lugar da Polônia foi a melhor classificação da equipe em competições internacionais.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.