Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Queda brutal de Wall Street balança mercados asiáticos e europeus

media Medo de alta da inflação nos Estados Unidos provoca forte queda nas bolsas de valores mundiais. Foto do 05/02/18 REUTERS/Brendan McDermid

Mais um dia de nervosismo nos mercados mundiais. Depois de uma queda brutal de Wall Street na noite de segunda-feira (5), as bolsas asiáticas seguiram a tendência do pregão de Nova York na manhã desta terça-feira (6) e fecharam no vermelho. Enquanto isso, os mercados europeus operam no negativo.

A Bolsa de Valores de Tóquio encerrou o pregão em queda de 4,73% - poucas horas depois de uma baixa de 4,06% em Wall Street. O índice Nikkei, que durante o dia chegou a operar em queda de 7%, perdeu 1.071.84 pontos na sessão. Esta foi a queda mais expressiva do índice desde a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, em 2016.

Já a Bolsa de Xangai, principal mercado da China continental, fechou em uma queda expressiva de de 3,35% nesta terça-feira. A Bolsa de Shenzhen, a segunda mais importante do país, registrou baixa de 4,44%, enquanto Hong Kong recuou 5%.

Bolsas europeias no vermelho

Depois da Ásia, a turbulência em Wall Street chegou também à Europa. Na manhã desta terça-feira, a Bolsa de Paris opera em -3,43%, Londres em -3,5%, Frankfurt a -3,58%, -3,3% em Madri e -3,6% em Amsterdã.

"A Europa está diante de uma onda vermelha depois do banho de sangue nos mercados americanos" e "menos de duas semanas após um pico histórico" alcançado por Wall Street, avalia Jasper Lawler, analista na London Capital Group.

A principal preocupação dos mercados europeus nesta manhã é se essa baixa é passageira ou se terá continuidade nos próximos dias. A previsão dos analistas é que a tendência seja registrada pelo menos até o final desta semana até se estabilizar.

O sentimento, no entanto, é que "a liquidez é abundante e os investidores devem julgar rapidamente que essa baixa é mais saudável do que prejudicial" aos mercados, avaliam os economistas da francesa Aurel BGC. "Se novos sinais confirmarem que a inflação se acelera realmente nos Estados Unidos, a volatilidade pode permanecer mais forte por um longo período", salientam.

Como explicar o fenômeno

O ano de 2018 começou bem para as bolsas mundiais, especialmente em Wall Street, que bateu uma série de recordes durante semanas. Mas a publicação, na última sexta-feira (2) do relatório mensal sobre o emprego nos Estados Unidos mudou repentinamente a situação. O documento, que destacava um aumento significativo dos salários do país em janeiro, teve um efeito devastador nos mercados ao provocar o temor de crescimento da inflação e, portanto, um aumento das taxas de juros mais rápida que o previsto.

A pressão sobre os juros, no entanto, acontece em um momento diferente das décadas de 70 e 80. Atualmente, a maioria dos países avançados estão fortemente endividados e os analistas ainda não conseguem prever se a inflação e os juros ficarão contidos, nem de que maneira os bancos centrais vão reagir caso percam o controle da pressão inflacionária.  

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.