Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 14/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 14/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Crise na Catalunha custou € 1 bilhão à Espanha

media O ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, acredita que a crise na Catalunha custou € 1 bilhão à Espanha REUTERS/Sergio Perez

O ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, assegurou nesta segunda-feira (1°) que a crise política na Catalunha custou € 1 bilhão à economia do país.

De Guindos assegurou que o freio no crescimento da Catalunha no quarto trimestre de 2017 "pode já ter custado perfeitamente cerca de € 1 bilhão", em uma entrevista à rádio Cadena Ser. "A Catalunha estava crescendo acima da Espanha, é um dos motores fundamentais da recuperação espanhola. No entanto, no quarto trimestre se tornou um empecilho", afirmou.

O ministro atribuiu a desaceleração da Catalunha, que representa 19% do PIB espanhol, à "enorme incerteza, preocupação e desconfiança que foram geradas pelas decisões do governo anterior", presidido pelo independentista Carles Puigdemont.

Espanha crescerá em 2018

Em setembro de 2017, os três partidos independentistas do governo catalão aprovaram as chamadas leis de desconexão. Em 1° de outubro, organizaram um referendo de autodeterminação, proibido pela justiça, e em 27 de outubro proclamaram unilateralmente a República Catalã.

O governo espanhol de Mariano Rajoy então destituiu o executivo regional, suspendeu a autonomia da Catalunha e convocou eleições antecipadas na região para 21 de dezembro, nas quais os partidos separatistas voltaram a conquistar uma maioria absoluta de deputados que deveria lhes permitir formar governo.

De Guindos pede que o futuro governo catalão seja consciente dos custos do projeto independentista, abandone a "via unilateral" e se concentre nas necessidades básicas da sociedade catalã. O ministro também afirmou que 2018 será "um bom ano" para a Espanha, com o Banco Central prevendo um crescimento de 2,4% do PIB.

Com informações da AFP
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.