Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Graças à subvenção estatal, França se torna polo produtor de videogames

Graças à subvenção estatal, França se torna polo produtor de videogames
 
A oitava edição da Paris Games Week, acontece do 1° ao 5 novembre 2017 Divulgação Paris Games Week

Começou nesta quarta-feira a oitava edição da Paris Games Week, um dos maiores eventos sobre o universo dos videogames do mundo, o segundo da Europa. O evento é organizado pelo Sindicato dos Desenvolvedores de Softwares de Lazer - (SELL, na sigla em francês).

Emmanuel Martin, secretário-geral do SELL, organizador da Paris Games Week, conta as expectativas para o setor este ano: “É um grande ano para os games. É um ano excepcional, porque dois consoles são lançados: um em março, o Nintendo Switch, e um em novembro, logo após a PGW, o Xbox One X, da Microsoft, que o público vai poder jogar já no evento. Esperamos um crescimento de 15% para este ano. Hoje, o setor representa um orçamento de 3,46 bilhões de euros”.

O mercado é grande na França, país onde 52% da população diz jogar videogames. A média de idade dos jogadores passou de 21 para 34 anos, entre 1999 e 2016, e o número de mulheres jogadoras também vem aumentando consideravelmente – passou de 20% do total de jogadores para 47% atualmente.

Participação feminina

Mas a participação feminina na produção ainda é insuficiente, é o que aponta a presidente do SELL, diretora-geral da empresa de criação Bethesda e cofundadora da associação Women in Games, Julie Chalmette.

“A participação feminina na criação de videogames é claramente insuficiente. As mulheres são apenas 14% ou 15% no estúdio, o que é paradoxal, porque a gente pensa que o videogame é um lazer masculino e não é mesmo. Hoje em dia as mulheres representam 47% dos jogadores", diz.

"Então, seria interessante que as mulheres investissem mais na criação dos jogos e para isso é importante que elas conheçam o processo; saibam quais são as carreiras ligadas a isso e como elas podem entrar”, avalia Chalmette.

A França, segundo o SELL, é o segundo ou terceiro mercado na Europa, atrás da Alemanha e do Reino Unido. "Em termos de produção, a França ocupa um lugar de destaque no mundo, por várias razões: temos uma ligação histórica com os videogames, estamos entre os países que dispõem das melhores formações do mundo e temos também uma grande tradição de engenheiros e criadores, o que torna o mercado de criação na França muito dinâmico", diz Martin.

Subvenção estatal

A França conta com a Ubisoft, a terceira maior empresa desenvolvedora de videogames do mundo e com a ajuda do Estado, que faz da França atualmente um país dos mais atrativos no mundo para a produção de jogos.

“Hoje, se você produz games na França, você pode se beneficiar de muitos mecanismos de subvenção estatal: um fundo de ajuda para games, para incentivar os primeiros projetos, a fase de escrita, um crédito de imposto de games, que reembolsa em forma de crédito de imposto até 30% do valor. É o melhor mecanismo na Europa e o segundo melhor do mundo; fica atrás apenas do Canadá”, explica Martin.

Segundo Martin, os consoles ainda lideram os negócios, com 63% do mercado, seguidos dos jogos para PC, com 29% e dos jogos de celular, com 8%. Dentro da modalidade de jogos para PC, destaca-se o e-sport, que, de tão popular, chegou a ser citado pelo copresidente do comitê olímpico Paris 2024, Tony Estanguet, como provável modalidade olímpica.

E-sport vem ganhando espaço

“O e-sport nos Jogos Olímpicos é um reconhecimento magnífico. O e-sport é paradoxal, pois economicamente ainda é pequeno, representa apenas umas dezenas de milhões de euros, mas experimenta um grande crescimento. O ponto é que ele é midiático, tornou-se um espetáculo de audiência massiva. É o paradoxo deste fenômeno, que é economicamente pequeno, mas esta se desenvolvendo muito rapidamente”, disse Martin.

Para este ano, a Paris Games Week apresenta lançamentos para o final do ano e mostra as tendências do universo dos games no mundo. “No ano passado; tivemos 310 mil pessoas e este ano esperamos 320 ou 325 mil. Qualquer que seja o seu gosto ou nível de jogo, o mundo dos games hoje oferece uma palheta de experiências tão distintas que podem satisfazer a todo mundo.”

“Nossa ideia é de fazer a mais bela festa possível. Para alem dos números, esperamos que todo mundo passe um belo dia no nosso evento, que é uma bela vitrine para os games”, diz ele, contando que os blockbusters deste ano são Super Mario Odyssey, Call of Duty WW2 e Assasin’s Creed Origins.


Sobre o mesmo assunto

  • Fato em Foco

    Jogos para celulares lucram US$ 16,5 bi em 2013 e criam novo mercado

    Saiba mais

  • Barcelona/Games

    Angry Birds e outros games transformam vício em modelo de negócios

    Saiba mais

  • Computadores, jogos eletrônicos e redes sociais ajudam as crianças, dizem cientistas

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.