Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Volvo fabricará apenas carros elétricos ou híbridos a partir de 2019

media O modelo híbrido XC90 da Volvo Divulgação

A fabricante de carros sueca Volvo anunciou nesta quarta-feira (5) que, a partir de 2019, somente lançará modelos elétricos ou híbridos. O objetivo é pôr um "fim histórico" nos veículos equipados com motor de combustão.

O grupo, de propriedade da empresa chinesa Geely, espera lançar cinco modelos integralmente elétricos entre 2019 e 2021, três com sua marca e dois da Polestar, além de uma série de híbridos.

Segundo um porta-voz, a empresa com sede em Gotemburgo (oeste da Suécia) continuará fabricando até 2019 os modelos a gasolina e diesel lançados antes dessa data, mas eles serão progressivamente substituídos por veículos mais limpos.

O grupo tem a ambição de vender 1 milhão de carros elétricos antes de 2025, data na qual deseja que suas operações de produção se convertam em "climaticamente neutras".

Presença no Brasil

A Volvo é uma das poucas montadoras instaladas no Brasil que conseguiram elevar a produção em 2016 e pretende investir R$ 1 bilhão na América Latina entre 2017 e 2019, segundo o presidente do grupo para a região, Wilson Lirmann, em entrevista à imprensa brasileira.

Ele afirmou que “mais de 90%” dos investimentos serão concentrados no Brasil, onde a montadora mantém uma fábrica de caminhões e ônibus, localizada em Curitiba.

Lirmann, que está no cargo desde julho do ano passado, explicou que a confiança se deve principalmente a “sinais consistentes de retomada da economia”, destacando que a inflação caminha para terminar o ano abaixo da meta do Banco Central, de 4,5%, e que há uma tendência de redução das taxas de juros.

O executivo disse ainda que o agronegócio, que deve ter uma safra recorde em 2017, terá papel fundamental na retomada das vendas de caminhões pesados, segmento no qual a Volvo é líder no Brasil.

Os investimentos previstos para os próximos três anos no país serão destinados ao desenvolvimento de produtos e à modernização do parque fabril.

Mesmo com o aumento da produção e das exportações no Brasil, o faturamento da Volvo na América Latina teve queda de 12,7%, de R$ 5,5 bilhões em 2015 para R$ 4,8 bilhões em 2016, ainda como reflexo da crise econômica, que afetou fortemente o mercado brasileiro de veículos, que, no ano passado, teve uma queda de 20,2% em todos os segmentos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.