Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/04 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/04 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/04 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Produção de carne orgânica cresce a ritmo acelerado na França

Produção de carne orgânica cresce a ritmo acelerado na França
 
Seção de carne orgânica em um supermercado francês Divulgação

O consumo de produtos orgânicos vai de vento em popa na França. Em 2016, houve um aumento de 20% nas vendas. No total, os franceses gastaram 7 bilhões de euros para comer alimentos mais saudáveis, produzidos sem agrotóxicos. Os dados são da Agence Bio, organismo dedicado ao desenvolvimento da agricultura e da pecuária orgânicas no país. E a carne não fica de fora, gerando € 342 milhões em vendas no ano passado.
 

"Houve um aumento de 15% na produção de carne orgânica em 2015 em relação a 2014, com diferenças entre os rebanhos de bovinos, suínos e ovinos. Os bovinos tiveram um grande aumento, já os ovinos tiveram um crescimento moderado, de cerca de 3% dos carneiros. Esse aumento da produção se confirmou em 2016. Ainda não temos os números definitivos, mas devemos chegar a 17% de crescimento em relação a 2015. Dá para ver um padrão de evolução contínua", explicou à RFI Jean-François Deglorie, especialista no tema, no stand da Agence Bio no Salão da Agricultura. O evento vai até o dia 5 de março no centro de convenções Porte de Versailles, em Paris.

Segundo ele, "em números absolutos de 2015, havia 60 mil bovinos, sendo que cerca de 13 mil deles eram bezerros". "Isso dá mais ou menos 50 mil adultos abatidos em 2015. Em 2016 foram 13 mil cabeças a mais, chegando a cerca de 73 mil. Para 2017, apesar de o ano ter apenas começado, a tendência é que a curva de crescimento se mantenha", completa.

A carne orgânica custa cerca de 15% a mais que a tradicional. "Os animais devem comer alimentos orgânicos, e o produtor deve privilegiar a sua própria fazenda como fonte desses alimentos. Quando se trata de pasto para vacas, tudo bem, o custo não é enormemente superior. Mas, para a produção de porcos, que vão comer muitos cereais, será necessário produzi-los de forma orgânica ou comprá-los. Nesse caso, em termo de alimentação, o custo será mais elevado", afirma Cécile Deveze, coordenadora da Comissão de Produtos Orgânicos da Interbev, associação francesa de rebanhos e carnes.

"Há mais gastos também com as superfícies, que são maiores, pensando no bem-estar dos animais. Assim os estábulos têm mais espaço, e há menos animais por metro quadrado. Esses edifícios também devem ser construídos para possibilitar a saída dos animais ao exterior. Então os custos de produção são realmente mais altos", acrescenta.

60% dos franceses estão dispostos a pagar mais

Porém, mesmo sendo mais cara, a carne orgânica atrai os franceses. Uma pesquisa da Interbev mostrou que 60% estão dispostos a pagar mais, citando a saúde e os benefícios ambientais como os principais fatores. A pecuária orgânica não utiliza agrotóxicos no pasto ou cereais transgênicos para alimentar os animais.

"O primeiro fator que leva o consumidor à compra de carne orgânica é a preocupação com a preservação do meio ambiente para seus filhos, as futuras gerações. Depois há a questão do bem-estar animal, que recebe melhor tratamento dos fazendeiros, e a vontade de consumir um produto mais saudável", diz Dezeve.

Além das vantagens para o meio ambiente e para o consumidor, a produção de carne orgânica também gera mais empregos que a pecuária de corte tradicional. "A produção de orgânicos gera 10% mais empregos que a agricultura e a pecuária tradicionais. Atualmente há 33 mil produtores na França, segundo dados de 2016. A cadeia de trabalho inclui transformadores, órgão de controle e conselhos, por exemplo. Tudo isso corresponde a mais de 100 mil empregos gerados pela produção de orgânicos na França. É um número nada negligenciável neste período de crise econômica e desemprego. O preço mais alto do produto é consequência da necessidade de mais trabalho", revela Deglorie.

O especialista acrescenta que os benefícios econômicos se estendem para além da produção. "Um produtor de orgânicos não vai utilizar pesticidas, então haverá menos contaminação dos lençóis freáticos. Isso faz com que a água necessite menos tratamento para ser consumida pelas pessoas. Então essa água vai custar menos. Isso quer dizer também que a produção orgânica é um movimento cidadão. Quando consumimos produtos orgânicos, ajudamos a desenvolver uma agricultura e uma pecuária que gerarão menos poluentes para a sociedade. E esses poluentes têm um custo, o chamado custo da poluição. Se incluirmos esses benefícios econômicos da produção orgânica, veremos que ela não sai mais cara que a tradicional."


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil/ meio ambiente

    Apenas 1% da agricultura do Brasil é orgânica, nota OCDE

    Saiba mais

  • Carne bovina não ficará de fora de acordo comercial entre Mercosul e UE

    Saiba mais

  • China/Estados Unidos

    China suspende embargo sobre carne bovina americana

    Saiba mais

  • Lobby europeu vence e carne bovina fica fora do acordo UE-Mercosul, diz Les Echos

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.