Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Há espaço para o açaí na França e na Europa”, aposta empresário francês

“Há espaço para o açaí na França e na Europa”, aposta empresário francês
 
O empresário Damien Binois RFI

O açaí conquista aos poucos os paladares na França e em outros países europeus a partir de iniciativas como a do jovem empresário francês Damien Binois, que lançou a marca Nossa!, que vende sucos e a polpa - todos orgânicos - da fruta típica da região amazônica.

A descoberta da fruta aconteceu durante sua estada em São Paulo, onde estudou na Fundação Getúlio Vargas por meio de um intercâmbio com sua universidade na França. De consumidor passou a investigar o produto em uma tese de mestrado.

“Nunca tinha ouvido falar nem visto açaí na França nem nas minhas viagens. Gostei muito. Como gosto muito de gastronomia e natureza, decidi fazer minha tese de mestrado sobre a cadeia produtiva do açaí no estado do Pará”, contou em entrevista à RFI Brasil. O estado do Norte do Brasil é o maior produtor e exportador mundial da fruta.

“Muitas coisas devem ser melhoradas, como no aspecto sanitário. Poucas empresas têm capacidade de exportação porque devem pasteurizar o produto. Existe a doença de chagas, entre outras pragas também, a ser combatidas”, explica.

Outro fator apontado como um dos desafios para a conquista de mercados fora das fronteiras amazônicas é a logística. “Há poucas estradas. O transporte é feito por rios, igarapés. O açaí é um fruto muito frágil. É preciso tirar a polpa e congelá-la dentro de no máximo dois ou três dias. É um desafio manter a qualidade do produto”, explica.

Suas pesquisas sobre os obstáculos da exportação do açaí e a convivência com pequenos produtores despertaram o interesse em investir no negócio quando voltasse à França. Mas o que de fato convenceu Damien  a enxergar perspectivas de negócio foram as propriedades nutritivas como a presença rica de anti-oxidantes, magnésio, fibras, entre outros nutrientes. “Estudei o caso do Japão, dos Estados Unidos e vi que era uma fruta que atende as expectativas de um produto bom para a saúde, que é o que o público europeu está buscando”, diz.

Paciência para divulgar um produto desconhecido

Damien Binois levantou recursos para montar uma start up e há três anos está no mercado. Sua empresa distribui na França produtos à base de açaí por meio de uma rede de supermercados, de lojas para produtos orgânicos e pelo comércio online. Apesar do entusiasmo, admite uma certa dificuldade em popularizar o fruto exótico.

“Temos que ser pacientes. Agora estamos começando a encontrar um mercado. No começo, as pessoas não conheciam o produto e estava céticas. Temos que apresentar, mostrar o sabor, a cor, que são bem originais para os paladares que não estão acostumados. Aos poucos os restaurantes vão começar a propor o açaí na tigela, como no Brasil”, aposta.

Nesta busca para satisfazer o mercado ainda pouco desenvolvido, a empresa aposta na diversificação e oferece desde polpas e sucos com açaí puro ou misturado com guaraná e frutas locais, como amora. “Estamos no processo de fazer muitas animações em eventos para mostrar, explicar e divulgar o produto. Nosso objetivo não é vender para os brasileiros que estão aqui, mas para os franceses”, insiste.

“As pessoas quando provam gostam.“Acabamos de entrar em uma grande cadeia de supermercado. Também entramos em rede de lojas para produtos orgânicos. Por enquanto é um produto de nicho. Acho que entre 80 e 90% das pessoas não conhecem o açaí. Há muita margem de progresso”, garante o empresário que já enviou o produto para Bélgica, Espanha e Suécia.


Sobre o mesmo assunto

  • Meio Ambiente

    Guia mostra benefícios dos alimentos orgânicos

    Saiba mais

  • Brasil/Economia/Paris

    Brasileiros em Paris encontram na gastronomia uma boa fonte de renda

    Saiba mais

  • Economia

    Feira Sial 2016 traz inovações na alimentação sadia em Paris

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.