Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/06 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Campanha na França luta contra salários menores para mulheres

media Mulheres ganham 15,1% a menos que homens na mesma função. Getty Images / Mlenny

As mulheres francesas, vítimas de uma diferença salarial de mais de 15% em relação aos homens, trabalharão "de graça", a partir desta segunda-feira (7), às 16h34, horário local, até o final do ano, segundo os cálculos de uma organização feminista.

Em um texto publicado na internet, a organização Les Glorieuses ('As Gloriosas'), convocou as mulheres a se mobilizarem para reivindicar a igualdade salarial e a pararem de trabalhar na segunda-feira 7 de novembro às 16h34. Segundo os cálculos do coletivo, a partir dessa hora, os homens franceses terão ganhado o que as mulheres ganharão em um ano.

Inspirando-se em uma iniciativa islandesa, que em 24 de outubro mobilizou as mulheres no país para exigir o fim da brecha salarial em relação aos homens, a fundadora da Les Glorieuses, Rebecca Amsellem, quis "adaptar a ideia na França", disse à AFP.

Franceses ganham 38,2 dias a mais de salário que mulheres

Segundo essa professora universitária de 28 anos, a diferença salarial de 15,1% entre homens e mulheres, calculada em 2010 pelo instituto de estatísticas Eurostat, corresponde a "38,2 dias" de trabalho a menos de salário.

"Na segunda-feira às 16h34 e 7,5 segundos exatos, podemos afirmar que estaremos trabalhando de graça até o final do ano", afirmou. Vários chamados à mobilização, principalmente nas redes sociais, começaram a aparecer acompanhados da hashtag #7novembre16H34.

Segundo os dados mais recentes da Eurostat, em 2014 as mulheres na França receberam um salário 15,5% inferior ao dos homens. Esse número chega a 16,7% no nível da Europa.
 

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.