Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • EUA: tiroteio deixa três mortos em supermercado em Oklahoma
Economia

Quase metade da riqueza mundial pertence a 1% da população

media Reuters

Os milionários representam somente 1% da população mundial, mas aproximadamente metade da riqueza privada global se concentra nesse grupo, revelou o relatório anual do gabinete financeiro Boston Consulting Group (BCG), divulgado nesta terça-feira (7).

No total, 18,5 milhões de famílias afortunadas detêm 47% da riqueza acumulada no mundo, detalha o relatório. Esse percentual equivale a US$ 78,8 trilhões, superando o Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

Os Estados Unidos abrigam de longe a maior quantidade de lares milionários (oito milhões de famílias), seguidos pela China (dois milhões) e por Liechtenstein e Suíça, na proporção de suas populações.

A extrema concentração de riqueza é particularmente marcante na América do Norte, onde 63% dos US$ 60,4 trilhões acumulados em fortunas privadas pertence a milionários.

Essa proporção, que é a maior do mundo, deve chegar a 69% em 2020, segundo o Boston Consulting Group.

Fortuna acumulada em paraísos fiscais aumentou 3% em um ano

De acordo com o relatório, a riqueza acumulada nos centros offshore, que oferecem impostos baixos ou nulos, aumentou 3% em um ano, chegando atualmente a quase US$ 10 trilhões. A Suíça continua sendo o destino offshore privilegiado das grandes fortunas, seguido por Cingapura e Grã Bretanha.

O relatório projeta que o setor continuará crescendo nos próximos anos, apesar das "medidas regulatórias destinadas a combater a evasão fiscal". As revelações dos "Panama Papers" revelaram o uso em grande escala dos paraísos fiscais para escapar do imposto, levando a comunidade internacional a anunciar um novo plano de combate a essas práticas.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.