Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Entenda quais são os obstáculos para tratado entre UE e EUA

media François Hollande, Barack Obama e Angela Merkel REUTERS/John Macdougall/Pool

As negociações para a criação de uma área de livre comércio entre a União Europeia e os Estados Unidos geraram duras críticas de ambos os lados do oceano Atltântico, e muitos obstáculos pesam sobre o acordo, apesar da vontade de avançar do presidente dos EUA, Barack Obama.

O que é o TTIP?

O Acordo de Parceria Transatlântica para o Comércio e os Investimentos (TTIP,  na sigla em inglês) é um acordo comercial que está em negociação desde 2013. Destina-se a eliminar as barreiras comerciais entre a UE e os EUA e reduzir os obstáculos ao comércio de bens e serviços entre os dois parceiros.

As negociações têm sido conduzidas em segredo, uma opacidade que foi denunciada por muitos setores da sociedade civil.

De acordo com o Centro de Pesquisa Econômica e Política, o acordo permitiria ganhos para a Europa de € 120 milhões e de € 95 milhões para os Estados Unidos.

Por que Barack Obama quer acelerar as negociações?

Para o presidente dos EUA, o tempo está acabando se ele quiser selar o acordo antes do final de seu mandato na Casa Branca, em janeiro de 2017, num momento em que até mesmo pré-candidatos democratas criticam o projeto.

Na sua atual visita à Alemanha, Obama pediu para se chegar rapidamente a consenso.

"Se não terminarmos as negociações este ano, com as transições políticas que acontecem nos Estados Unidos e na Europa, isso pode significar que o acordo não será concluído em um bom momento", disse após reunião com Angela Merkel.

Do lado de Bruxelas, a comissária europeia do comércio, Cecilia Malmström, disse que as eleições nos Estados Unidos não devem interromper a negociação.

Quais seriam os beneficiários do TTIP?

A Alemanha, a maior economia da Europa, seria um dos principais beneficiários do acordo por sua característica de país exportador.

O primeiro-ministro britânico David Cameron, tem sido muito favorável ao acordo, enquanto a França é mais reticente. O secretário de Comércio Exterior da França, Matthias FeKL, lamentou no domingo que nenhuma das posições defendidas por seu país tenham sido levadas em consideração até agora.

Quais são os obstáculos que o tratado enfrenta na Europa?

A sociedade civil está mobilizada há meses contra TTIP, denunciando a opacidade das negociações e suas possíveis consequências para a agricultura e o meio-ambiente.

No sábado, dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em Hanover. Os principais medos apontam para o setor de serviços, regulação financeira e denominação de origem.

E nos Estados Unidos?

Nos Estados Unidos, o projeto tem sido fortemente criticado durante a campanha presidencial, com o argumento de que os acordos comerciais são responsáveis pela desindustrialização do país.

Donald Trump, que lidera as primárias republicanas, transformou o tema em uma de suas bandeiras, enquanto a democrata Hillary Clinton também disse ser contrária ao tratado, sob pressão de seu adversário Bernie Sanders, com uma ideologia mais à esquerda .

O candidato disse, muitas vezes, que os acordos de livre comércio "parecem fantásticos no papel", mas seus resultados não estão sempre à altura.

Qual é a percepção sobre outros acordos?

Os pré-candidatos não têm se referido apenas a esse acordo em particular. Hillary se declarou recentemente contra o Acordo de Transpacífico de Livre Comércio (TPP), assinado com 11 países da região da Ásia-Pacífico, que busca criar a maior área de livre coméercio do mundo.

Sanders foi mais longe e disse que esses acordos são "um desastre para os trabalhadores americanos."

No campo republicano, Trump prometeu medidas protecionistas contra a China e México, o que equivale a contestar o tratado de livre comércio da América do Norte, assinado em 1994 por Bill Clinton.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.