Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Bolsas chinesas se recuperam após mudança nas regras do pregão

media Bolsas asiáticas enfrentaram mais um dia de volatilidade. REUTERS/Jason Lee TPX

As bolsas chinesas operaram com grande volatilidade nesta sexta-feira (8), mas registraram alta neste que foi o primeiro dia depois da retirada do mecanismo de suspensão automática das negociações. O Banco Central da China elevou o nível de referência da moeda chinesa, o yuan, em relação ao dólar.

Luiza Duarte, correspondente da RFI Brasil em Hong Kong.

Essas mudanças impulsionaram a recuperação. A bolsa de Xangai fechou hoje em alta de 1,9% e a de Hong Kong chegou a marcar 1,1% ao longo do dia, sinalizando um retorno da confiança entre os investidores. Já os mercados japonês e australiano reagiram com uma leve alta, mas ambos acabaram fechando em - 0,39%.

O “circuit breaker”, como é chamado o dispositivo para limitar as perdas, entrou em atividade pela primeira vez na segunda-feira (4). Ele pausa por 15 minutos a sessão, quando o índice perde 5%, e suspende o pregão quando a queda é superior a 7%. Esse novo mecanismo foi acionado em duas ocasiões essa semana, na segunda e na quinta-feira. O encerramento antecipado provocou dúvidas dos analistas a respeito da eficácia do dispositivo.

Tóquio

Na quinta-feira (7), a derrocada das bolsas chinesas provocou contágio em toda Ásia, fazendo recuar os índices de Tóquio, Hong Kong, Seul e Sydney. A Bolsa de Tóquio encerrou a sessão de sexta-feira em queda de 0,39%. O índice Nikkei perdeu 69,38 pontos, a 17.697,96 unidades.

O começo de ano difícil para o mercado financeiro chinês foi provocado pela crescente inquietação dos investidores com a desaceleração da economia da China e com o yuan fraco. A moeda chinesa sofreu sucessivas desvalorizações, atingindo na quinta-feira o seu menor valor desde 2011.

Europa em alta

As principias bolsas europeias abriram o pregão em alta ou em equilíbrio nesta sexta-feira que encerra uma semana de sobressaltos devido à queda na China. O índice FTSE 100 de Londres abriu subindo 0,40% e o DAX 30 de Frankfurt em alta de 0,31%. O CAC 40 francês abriu estável e o IBEX espanhol em alta de 0,37%.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.