Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 25/09 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 28/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 25/09 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 28/09 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 28/09 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 28/09 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 28/09 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 28/09 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Finlândia vai testar sistema em que trabalhar é uma escolha

Finlândia vai testar sistema em que trabalhar é uma escolha
 
Maioria dos finlandeses apoiam a proposta de renda única universal. wikipédia

Se você ganhasse uma renda mínima sem nenhuma contrapartida, ficaria em casa assistindo televisão ou continuaria acordando cedo para ir trabalhar? A Finlândia está disposta a testar a resposta dos seus cidadãos. No ano que vem, o país deve fazer a experiência da renda universal mínima para toda a população, independentemente da situação social ou da idade.

A ideia é substituir todas as ajudas financeiras sociais dadas pelo governo por apenas uma, de um valor fixo e igual para todos. O principal objetivo é lutar contra a pobreza – em algumas regiões do país, o desemprego chega à casa de 20% da população ativa.

Em segundo lugar, a meta é, curiosamente, diminuir os gastos em programas sociais. Unificando as prestações, a Finlândia espera aperfeiçoar o serviço e reduzir o número de funcionários dedicados a este setor da administração pública.

O economista Marc de Basquiat, autor de uma tese sobre o assunto na França, adverte que o projeto de oferecer apenas uma ajuda financeira para os cidadãos é uma ilusão - pelo menos nos países europeus, onde a preocupação social é um valor.

“Não se pode pensar que, ao adotar uma renda de base, todas as outras ajudas sociais cessariam. Não é verdade. Os complementos para habitação, por exemplo, continuariam. Da mesma forma, aqueles que contribuíram a vida inteira para aposentadoria vão ter direito a uma renda a mais na velhice”, afirma. “Ou seja, vão continuar existindo ajudas a mais, separadas.”

Definição sobre o valor adequado é essencial

O especialista ressalta que, para dar certo, a experiência deve adotar um valor nem muito elevado, sob o risco de desestimular as pessoas a trabalhar, mas nem baixo demais, que seria ineficaz para tirar os mais carentes da pobreza. Para de Basquiat, a premissa de que o número de desocupados explodiria não passa de um clichê.

“Sempre existiram e sempre existirão pessoas que escolhem viver de uma maneira frugal, com muito pouco dinheiro, e são felizes assim. Não há muitos estudos científicos sobre quantas pessoas se enquadram neste caso”, indica. “Mas as pesquisas já feitas na França, nos Estados Unidos ou no Canadá mostraram que o número daqueles que param completamente de trabalhar é muito marginal. É preciso acabar com a fantasia em torno desse assunto: em regra geral, as pessoas querem se integrar na sociedade e, para isso, elas exercem uma atividade.”

Segundo os especialistas, a renda mínima ideal em um país como a França seria em torno de € 460 (R$ 2.033). O governo da Finlândia avalia adotar um valor entre € 400 (R$ 1.768) e €700 (R$ 3.095). A medida conta com um amplo apoio da população: nas pesquisas mais recentes, 80% dos finlandeses se mostraram favoráveis à iniciativa.

Movimento na Europa

Em toda a Europa, políticos, intelectuais e associações militam por uma renda mínima universal, com o argumento de que liberaria os trabalhadores para fazerem aquilo que realmente gostam. Por trás de justificativas econômicas e sociais, também está uma mudança de concepção sobre quanto, afinal, vale o trabalho, nos moldes conhecidos atualmente.

“O objetivo é dar escolhas para as pessoas, sobre como elas vão trabalhar. Se elas querem trabalhar em tempo integral, em meio período, ou mudar para um trabalho que faça, de fato, sentido para elas”, explica Nicole Teke, coordenadora internacional do Movimento Francês por uma Renda de Base (MFRB). "O mais difícil é mudar a mentalidade das pessoas sobre esse assunto, fazer com que elas percebam que o trabalho pode ter um outro valor. É mais uma questão de mentalidade do que de economia.”
 


Sobre o mesmo assunto

  • Economia/ desigualdades

    Maioria das riquezas estará nas mãos de 1% da população em 2016

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Noruega ainda luta por igualdade de gênero no trabalho

    Saiba mais

  • OCDE/Estudo

    Brasil é exemplo de combate à desigualdade, diz relatório da OCDE

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.