Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

FMI vê crescimento “moderado e desigual” neste ano

media Encontro anual do FMI em Washington. REUTERS/Mike Theiler

Um crescimento "moderado e desigual". Esse é o prognóstico do FMI para a economia global para neste ano. Essas declarações constam de um esboço de comunicado produzido durante a reunião de Primavera do FMI e do Banco Mundial que acontece em Washington neste sábado (18).

Segundo o Fundo, embora os países desenvolvidos tenham dado sinais de recuperação, muitos emergentes estão ameaçados pela queda dos preços das commodities e das exportações. “A possibilidade de menor potencial de crescimento está se tornando um desafio mais relevante a médio prazo", disse o comitê de direção do FMI.

Já o G20, que reúne as principais economias do mundo e os países emergentes, adotou um tom mais otimista. Em um comunicado divulgado nesta sexta-feira (17), o grupo afirmou que “os riscos para a economia mundial estão mais equilibrados [hoje] que na última reunião do grupo”, diz o texto. “As perspectivas econômicas para as economias avançadas, sobretudo no Japão e na zona do euro, melhoraram e isso pode levar a uma retomada econômica mundial”.

O G20, porém, também partilha com o FMI o temor de um crescimento desigual por causa de “riscos de volatilidade nas taxas de câmbio, da inflação baixa prolongada [na Europa, por exemplo] (...) e das tensões geopolíticas”.

Levy tenta acalmar investidores

Em um evento paralelo a esse encontro, o ministro da Fazenda do Brasil, Joaquim Levy, disse hoje que o país está preparado para receber investimentos em infraestrutura e oferecer segurança aos investidores privados.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.