Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/11 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Seca é o principal motivo da queda de 1% do PIB do Brasil, diz FMI

media Represa do rio Jaguari, em Vargem (SP), com 1,7% do nível de água em julho de 2014. Luiz Augusto Daidone/ Prefeitura de Vargem

Pelo quinto ano consecutivo, os países emergentes devem reduzir sua previsão de crescimento. De acordo com o relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado nesta terça-feira (14), o Produto Interno Bruto (PIB) do bloco deve crescer apenas 4,3% em 2015. No Brasil, a crise hídrica é um dos fatores responsáveis pela queda do PIB, que deve encolher 1% este ano.

O relatório do FMI ressalta "quatro anos consecutivos de más surpresas" dos países do BRICS. O crescimento do bloco vem encolhendo nos últimos anos : 4,3% previstos para 2015, 4,6% em 2014 e 5% em 2013.

Os especialistas apontam dois principais motivos para o mau desempenho: a desacelaração da economia da China (6,8% este ano e 6,3% previstos para 2016) e o recuo do PIB do Brasil, que deve diminuir 1% em 2015. O resultado do país é o pior desde 1990, quando a economia brasileira encolheu 4,2%.

A seca, que prejudicou a distribuição de água e energia no país, é a principal causa do recuo da economia brasileira. Para o FMI, o controle do déficit fiscal e a redução da inflação podem contribuir no restabelecimento da confiança dos investidores.

Pior que o Brasil, só a Venezuela

Na América do Sul, apenas a Venezuela deve se sair pior do que o Brasil, com uma desaceleração de 7% este ano. Também enfrentando uma grave crise econômica, a Argentina deve registrar uma queda de 0,3% de seu PIB em 2015. A América Latina, bloco que tem países emergentes com as piores economias, registra um crescimento de 0,9% em 2015.

Dos outros países do BRICS, a Rússia também recua: 3,8% em 2015 e 1,1% em 2016. Dos que registram crescimento, a África do Sul deve contar com um aumento de 2% de seu PIB este ano e 2,1% em 2016.

O melhor resultado do grupo foi obtido pela Índia que para este ano e o próximo tem uma previsão de crescimento de 7,5%. Fora do BRICS, a Nigéria se posiciona como o novo motor econômico do continente africano, com uma previsão de aumento de 4,8% de seu PIB em 2015 e 5% em 2016.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.