Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Preços do petróleo devem continuar baixos em 2015, dizem analistas

media Retrocesso do preço do petróleo que pela 1ª vez em 5 anos cai abaixo de US$ 55. REUTERS/Rick Wilking

A cotação do petróleo voltou a cair nesta terça-feira (6). Na Europa, o barril do Brent foi cotado a US$ 52,06 no mercado londrino. Em Nova York, o barril do West Texas Intermediate (WTI) ficou abaixo dos US$ 50, valendo US$ 49,06. Para analistas, a situação não deve mudar ao longo deste ano.

Um excesso de oferta da commodity aliado a uma demanda fraca são apontados como as causas para a queda dos preços do petróleo. Para os analistas, essa tendência deve se manter ao longo deste ano. “2015 vai ser um ano difícil”, diz a agência de notação de risco Moody’s em relatório publicado nesta terça-feira (6). “As companhias de exploração/produção vão ser afetadas assim como as empresas de serviços ligados ao setor”, afirma o relatório.

“Segundo as principais agências de energia, o excedente de petróleo nos mercados mundiais nesse primeiro semestre de 2015 deve ser de, aproximadamente, 1,5 milhão de barril por dia. A menos que a produção diminua, mas não há nenhum sinal de que isso vá acontecer”, avalia o Commerzbank.

A mesma opinião é partilhada por outros analistas do setor de petróleo. “Tudo parece indicar que há um excedente de oferta nos mercados, o que se confirma com os anúncios recentes do aumento da produção no Iraque e na Rússia”, avaliou Jameel Ahmad.

Gigantes do setor devem resistir à queda dos preços

Segundo a Moody’s, as grandes empresas do setor do petróleo devem sofrer menos com a queda dos preços da commodity. “Schlumberger, Haliburton e Baker Hughes são suficientemente fortes para suportar uma baixa prolongada da atividade petroleira”, diz a agência.

A Moody’s explica que essas empresas fazem seus programas de investimento com estimativas do preço do barril entre US$ 50 e US$ 60. Apesar disso, grandes nomes como a francesa Total, a ExxonMobil e a Shell já anunciaram uma redução das despesas em 2015.

No Brasil, a trajetória descendente dos preços do petróleo afetou a cotação das ações da Petrobras. Ontem, a cotação do papel Petrobras PN recuou 6,83%, caindo para R$ 8,72. A Petrobras ON teve queda de 6,55%, passando para R$ 8,40.

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.