Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Economia

Governo grego pede mais tempo para reequilibrar contas públicas

media O premiê grego Antonis Samaras. REUTERS/Yorgos Karahalis

O presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, faz uma visita de trabalho hoje à Grécia. Juncker discute a situação econômica do país com o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, antes de reuniões decisivas do líder grego sexta-feira em Berlim e sábado em Paris. Em entrevista publicada na imprensa alemã, o premiê pede aos credores europeus mais tempo para reequilibrar as contas públicas da Grécia.

O primeiro-ministro grego Antonis Samaras tenta convencer os credores europeus a dar mais dois anos de prazo para a Grécia retornar a um déficit primário de 3% de seu Produto Interno Bruto. A meta inicialmente prevista para 2014 passaria para 2016. No ano passado, o déficit grego chegou a 9,3% do PIB.

O plano de austeridade europeu exige que a Grécia economize mais 11,5 bilhões de euros nos próximos dois anos e são essas condições que Samaras tenta negociar. O premiê enfrenta resistência interna para reduzir o valor das aposentadorias e cortar 40 mil empregos no funcionalismo.

Em entrevista publicada no jornal alemão Bild, nesta quarta-feira, Samaras diz que mais tempo não significa automaticamente mais dinheiro. Atenas já recebeu 130 bilhões de euros de ajuda financeira do FMI e da União Europeia. O premiê afirma que o governo grego quer apenas recuperar o fôlego para a economia voltar a crescer, a arrecadação aumentar e com isso aliviar a pressão sobre os gregos após o choque causado por cinco anos consecutivos de recessão.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, se encontram amanhã em Berlim e devem apresentar uma proposta comum para a Grécia. Apesar do discurso duro das autoridades alemãs em relação aos gregos, é consensual que alguma concessão terá de ser feita para a Grécia sobreviver na zona do euro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.