Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Filme de Woody Allen abre Festival de Deauville na França e gera polêmica

media 45° edição do Festival de Deauville começa nesta sexta-feira, 6 de setembro de 2019. Captura de vídeo

Depois de Veneza, o Festival de Cinema Americano de Deauville começa nesta sexta-feira (6) também com polêmica. O filme mais recente de Woody Allen, que não estreou nos Estados Unidos pelos supostos abusos sexuais dos quais o diretor é acusado por sua filha adotiva, abre o festival na cidade do oeste da França. A exibição da obra do cineasta americano é defendida pelos organizadores do evento.

"Um Dia de Chuva em Nova York", com Elle Fanning e Timothée Chalamet, será exibido na noite desta sexta-feira. Sua programação do evento provocou protestos nos Estados Unidos, assim como a inclusão de "American Skin", novo longa-metragem do diretor Nate Parker, absolvido em 2011 da acusação de estupro de uma estudante.

Os dois filmes serão exibidos fora da competição em Deauville e sem a presença dos diretores. "American Skin" foi programado para o Festival de Veneza, que termina no sábado, o que também provocou críticas de grupos feministas.

"Primeiro Woody Allen e agora Nate Parker. É o verão dos agressores. Não concordamos", tuitou a fundadora do grupo 'Women and Hollywood', Melissa Silverstein.

Deneuve defende filme

"É preciso separar o cineasta da pessoa", respondeu Catherine Deneuve, em uma entrevista em agosto. A célebre atriz francesa é a presidente do júri do Festival de Deauville neste ano. Em 2018, Deneuve bateu de frente com o movimento #MeToo ao assinar, com uma centena de mulheres, um artigo que defendia a "liberdade de importunar".

O lançamento nos Estados Unidos de "Um Dia de Chuva em Nova York", que narra a história de um casal de estudantes que decide passar um fim de semana romântico nesta cidade, foi cancelado pela produtora Amazon Studios quando Dylan Farrow, filha adotiva de Allen, voltou a acusar o cineasta de ter abusado dela quando tinha sete anos, em plena tempestade do #MeToo.

Apesar disso, o filme foi lançado na Polônia e em breve chegará aos cinemas de outros países europeus. "Será lançado na França e isto é positivo. É um grande filme", destacou o diretor do Festival de Deauville, Bruno Barde.

Acusações contra Allen

Woody Allen sempre negou categoricamente as acusações de Dylan Farrow, apoiada por sua mãe adotiva Mia Farrow e seu irmão Ronan. Os processos judiciais contra o cineasta neste caso foram abandonados depois de duas investigações de vários meses.

A 45ª edição do Festival de Deauville reivindica um evento "feminino", com 11 dos 36 novos filmes selecionados dirigidos por mulheres e abordando temas sobre suas lutas, disse o diretor Barde. O evento contará com a participação de diversas estrelas do cinema, como os atores Pierce Brosnan, que será homenageado, e Johnny Depp, assim como as atrizes Sophie Turner e Geena Davis, que apresentará o documentário "This Changes Everything", sobre o sexismo em Hollywood.

Os vencedores do festival serão anunciados no dia 15 de setembro.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.