Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Mostra em Paris oferece mergulho na street art de Banksy em quase 100 reproduções

Mostra em Paris oferece mergulho na street art de Banksy em quase 100 reproduções
 
Exposição "The World of Banksy, the immersive experience", em cartaz espaço Lafayette-Drouot, em Paris, até 29 de setembro. Foto: M. Bechara

Iconoclasta, urbano e extremamente político, o universo do misterioso artista britânico Banksy é revisitado através de quase 100 reproduções em tamanho natural pela mostra The World of Banksy: The Immersive Experience (O Mundo de Banksy: uma experiência imersiva, em português), em cartaz numa galeria do 9° distrito da capital francesa. A exposição, que ocupa os 1.200 metros quadrados e os três andares do espaço Lafayette-Drouot, traz 42 afrescos printados em muros de concreto, à moda do artista, além de 51 obras emolduradas desse street artist que, reza a lenda, nasceu em Bristol, e teria hoje por volta de 45 anos.

Para reconstituir obras como Bethlehem Land, o afresco mural de Belém, na faixa de Gaza, no qual Banksy retrata um burro e um soldado lado a lado, ou o retrato de uma jovem chorando na porta do Bataclan, em Paris, após os atentados, foi necessária uma força-tarefa de cerca de 10 grafiteiros vindos do mundo inteiro, sob condição de anonimato, para prestar homenagem ao artista britânico. O diretor da galeria, Hazis Vardar, fala sobre o caráter efêmero de seu trabalho.

"Não podemos ver os originais de Banksy. As obras foram vandalizadas, e algumas foram até retiradas", lembra Vardar. "Não podemos expor seu trabalho se não for através de cópias. São obras que, fisicamente, estão espalhadas pelo mundo inteiro, aquelas que ainda existem... Se alguém quiser ver os originais terá que fazer um giro por São Francisco, paris, Londres, uma verdadeira volta ao mundo", diz o diretor do espaço Lafayette-Drouot.

Imersão sonora e visual

Sob um fundo sonoro de helicópteros de guerra, o visitante da exposição O Mundo de Bansky redescobre obres icônicas como A menina e o balão, A pomba da paz com colete à prova de balas ou O Atirador de flores, içadas em paredes que mais parecem muros urbanos.

Além dos grafites, a mostra traz também uma reprodução da fachada e de um quarto do incrível The Walled Off Hotel, um simulacro da hospedaria totalmente reformulada por Banksy em plena Faixa de Gaza, que oferece quartos "com vista para o nada", com decoração colonial britânica e de frente para o muro contruído por Israel em Belém.

Com extrema ironia e desdém pela sociedade de consumo, o britânico acabou se tornando um filão super lucrativo do mundo das artes, tão criticado por ele e desperta paixões como é o caso da francesa Eve, que trouxe a família de Nantes (oeste) para conhecer a obra do britânico. No espaço Lafayette-Drouot, a curadoria de The World of Banksy optou pour emular com sucesso um ambiente urbano e underground na montagem dos grafites, aproveitando as galerias subterrâneas do espaço, suportes de concreto e uma iluminação imprecisa, que faz o olho buscar os detalhes. 

"Escandalosa sociedade de consumo"

"São obras muito expressivas e que nos fazem refletir bastante sobre a escandalosa sociedade de consumo. Eu conhecia algumas imagens que são ícones da obra dele como a menina e o balão vermelho, mas não muito mais além disso. A exposição retrata diferentes períodos e cidades, isso ajuda a compreender melhor o universo do artista", diz. 

"Mas não o artista ele mesmo, ele continua secreto, a gente não sai da exposição sabendo mais sobre a pessoa dele, mas sobre suas obras, sim. O que eu mais gosto é que ele é muito livre. E, pelo menos no começo, era livre também do lado comercial. É como se ele dissesse ‘eu me expresso só para me exprimir, para embelezar o mundo e para denunciar’. Gosto muito dessa liberdade total", afirma a francesa.

Omar, marroquino de passagem por Paris, disse apreciar o "lado anticonformista e provocador" de Banksy. "Ele trabalha de maneira simples e imagética, que pode conversar com pessoas que, frequentemente, não falam a mesma língua que ele. Ele possui uma linguagem universal. Aqui nesta mostra temos a impressão de estar diante de obras verdadeiras de Banksy, o que é interessante, e nós as vemos em tamanho natural, de maneira muito realista", avalia.

A exposição O Mundo de Banksy: a experiência imersiva foi prolongada devido ao sucesso de público e fica em cartaz na capital francesa até o dia 29 de setembro.


Sobre o mesmo assunto

  • Cultura

    Street artist brasileira pinta obra em homenagem a Marielle Franco em Amsterdã

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

    Saiba mais

  • Paris/Street Art

    Banksy pinta muros de Paris para chamar atenção ao drama de refugiados

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Projeto gaúcho junta street art, documentário e questão indígena

    Saiba mais

  • Banksy/Cisjordânia

    Artista urbano Banksy inaugura hotel na Cisjordânia

    Saiba mais

  • Cultura

    Enquanto Dória apaga, a Street Art brilha na França

    Saiba mais

  • Artista francês realiza street art em plena floresta amazônica

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.