Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Street artist brasileira pinta obra em homenagem a Marielle Franco em Amsterdã

media A street artist carioca Panmela Castro, diante de sua obra no Museu Stedelijk, em Amsterdã. Daniella Franco/RFI

“Um ano sem respostas” é a mensagem que a street artist carioca Panmela Castro gravou na fachada do Museu Stedelijk, em Amsterdã, na Holanda. A obra, realizada durante o Dia Internacional da Mulher, lembra o aniversário de um ano do assassinato da vereadora Marielle Franco, em 14 de março de 2018.

Daniella Franco, enviada especial à Amsterdã

“Meu objetivo com essa obra era falar das investigações sobre a morte de Marielle Franco. Estamos comemorando o 8 de Março, mas também pedindo respostas sobre uma mulher que é muito importante no Brasil, que defendeu nossos direitos e lutou pela nossa liberdade”, afirma Panmela Castro.

O graffiti, realizado sobre a fachada de vidro do Museu Stedelijk, exibe duas personagens femininas, unidas pelos olhos e pelos cabelos, dentro do conceito de “sororidade”, criado pela professora e feminista brasileira Vilma Piedade, que significa a união das mulheres, através da dor e do sofrimento mútuo com o machismo e o racismo.

“Quando eu desenho essas duas mulheres eu também estou falando de Marielle. Ela dava voz a todas essas brasileiras que estão em suas comunidades, nos seus bairros e que, muitas vezes, não podem ocupar espaços de decisão e de poder. Mas Marielle estava lá nos defendendo. Hoje a gente sente falta dessa pessoa que vivia, até então, lutando por nós”, salienta.

A arte como combate à violência

A street artist carioca é a fundadora da Rede Nami, uma ONG que milita pelo fim da violência contra a mulher e fomenta o protagonismo feminino nas artes. “Quem não quer apertar uma lata de spray? Então eu uso essa ferramenta e essa metodologia para atrair as mulheres. Quando elas chegam, a gente pinta e faz grafitti sim. Porém, antes, a gente fala sobre os nossos direitos.”

Lutar pelos direitos faz parte do cotidiano de Panmela Castro não apenas como mulher, mas como artista. “Nascer mulher nesse mundo é um ato político. São tantas barreiras a serem enfrentadas que muitas de nós não conseguimos identificar sempre que somos vítimas de machismo e preconceito. Por exemplo, no grafitti, quando eu comecei, muitas pessoas achavam que mulher só era capaz de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros.”

Intervenção da artista carioca Panmela Castro no museu Stedelijk, em Amsterdã. Daniella Franco/RFI

Para a street artista carioca, as mulheres merecem “os melhores muros” do mundo. “Eu sempre gritei bem alto e falei que queria o melhor muro para mim. E hoje estou aqui na Europa, pintando no Museu Stedelijk, mostrando para todos que nós, mulheres, merecemos sim ocupar os melhores espaços e os espaços de poder”, salienta.

A intervenção de Panmela Castro no Museu Stedelijk faz parte da programação do festival feminista holandês Mama Cash. A obra pode ser visitada até o dia 18 de março.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.