Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Curta de Carolina Markowicz traz a Cannes problemática da adoção

Curta de Carolina Markowicz traz a Cannes problemática da adoção
 
A cineasta Carolina Markowicz fala sobre "O Órfão", curta em competição na Quinzena de Cannes. RFI

Jonathas é um menino órfão, negro, de 13 anos, que tem a sorte de ter um casal que se interessa em adotá-lo, indo contra todas as preferências por um bebê branco. Mas seu jeito afeminado se torna o verdadeiro empecilho. Essa é a história de O Órfão, curta de Carolina Markowicz, em competição na Quinzena dos Realizadores, em Cannes.

Carolina conta que o curta é inspirado em histórias reais, “principalmente de crianças que são devolvidas”. Segundo dados oficiais do Conselho Nacional de Justiça 75% dos pretendentes querem crianças entre zero e cinco anos. A maioria quer bebês brancos, enquanto que a realidade mostra que mais de 50% das crianças disponíveis são pardas e 8% têm mais de 15 anos.

“Fiz muitas pesquisas, visitei abrigos e conversei muito com pessoas que trabalham na área de assistência social e a ideia era justamente mostrar um recorte dessas crianças, que têm dificuldades em serem adotadas, principalmente por causa da idade, ou porque têm irmãos ou porque como, Jonathas, são diferentes”, disse a cineasta.

Fugir do melodramático

Sobre a escolha dos atores, ela contou com a ajuda de uma produtora de elenco. Quando ela viu Kauan Alvarenga, percebeu que ali estava o seu Jonathas. “Apesar de ser uma história inerentemente triste, eu queria um personagem irreverente, insubordinado, para que o filme não caísse no melodramático. O Kauan tem carisma e trouxe isso para o personagem. Ele improvisou bastante, o que é algo que eu não costumo fazer”, acrescentou Carolina.

A cineasta tem vários curtas com trajetória internacional, como Edifício Tatuapé Mahal, que estreou no Festival Internacional de Toronto, no Canadá, em 2014. “Estar em Cannes, na em competição na Quinzena é muito importante na construção da carreira, principalmente agora que estou desenvolvendo o meu primeiro longa-metragem”, conta a cineasta paulista.

Sobre o próximo projeto, em fase de captação, ela revela que é sobre uma mulher que chefia uma máfia na tríplice fronteira e que é especializada em esconder fugitivos em famílias que tem alguém em estado vegetativo. A gangue mata o doente e coloca o foragido no lugar. A trama vai girar em um desses fugitivos, que acaba se apegando ao filho do casal que o abriga.

 

 


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    “É um momento de celebração de mulheres em Cannes”, diz a atriz Mariana Ximenes

    Saiba mais

  • Cannes/Spike Lee

    Em Cannes, Spike Lee expõe feridas racistas da América

    Saiba mais

  • Wenders/Cannes/papa

    Wim Wenders mostra em Cannes um papa antenado com o mundo

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “O Cinema Novo praticamente nasceu em Cannes, em 1964”, conta Cacá Diegues

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.