Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Músico brasileiro quer transformar Lille em capital do choro

Músico brasileiro quer transformar Lille em capital do choro
 
Roberto de Oliveira, músico brasileiro e diretor artístico do 1º Festival de Choro de Lille. RFI

Em março, a cidade de Lille, no norte da França, vai receber seu 1º festival de choro, o início de um projeto que começou em 2017 e que tem pretenções de mudar o cenário musical da região. 

"Étienne Clément, presidente da associação Açaí, convidou dois grandes músicos, o guitarrista Rosivaldo Cordeiro e o cavaquinista Osman Martins, para se juntarem comigo lá na cidade de Lille, onde eu moro", explica Roberto de Oliveira, diretor artístico do festival. "A gente passou a tocar em bares e a partir do quarto encontro a gente não conseguia mais parar. A partir daí deu início o Trio Caldo de Cana e nesses concertos a gente teve a ideia de criar o primeiro festival de choro da cidade de Lille", completa Roberto.

O festival vai contar com a participação de ilustres nomes da música brasileira, como o trombonista e grande maestro Raul de Souza, Jorge Cardoso, Humberto Araújo, e outros. Além do Festival, Roberto também organizou uma série de seis "Master Classes" em Lille, que acontecem uma vez por mês e terminam no domingo (18). Segundo o músico, o objetivo desse projeto é fazer os músicos franceses descobrirem o chorinho brasileiro e ajudarem a desenvolver o estilo musical na região. 

"Tem poucos brasileiros nos Master Class, 80% são músicos franceses. Na verdade é uma porta de entrada para a cultura brasileira. Como o chorinho tem muita influência da música europeia, quando eles escutam, eles se identificam bastante. Então é uma música que é muito perto já da cultura europeia, misturada com os rítimos africanos e com um molho brasileiro", explica Roberto. 

Polo de música brasileira no norte da França

O artista, que mistura o choro brasileiro com a música clássica em seus trabalhos, afirma que sonha em transformar Lille na capital francesa do chorinho.

"Faz oito anos que estou no norte da França, desenvolvendo a cultura brasileira e ensinando música. Hoje a gente tem a oportunidade com a associação Açaí de colocar em prática esse sonho, que é criar um polo de música brasileira no norte da França, sobretudo com o chorinho." 

Roberto também lembra que a associação Açaí, que organiza o Festival de Choro de Lille, lançou uma campanha de financiamento coletivo para quem quiser ajudar a transformar esse sonho em realidade. Para participar, basta entrar na página da entidade
 


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    “Franceses têm curiosidade em conhecer o choro”, diz diretora de festival de Paris

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Há uma grande correlação entre música erudita e popular", diz cantora Rany Boechat

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Espaço para a música brasileira na França é excepcional", diz percussionista Edmundo Carneiro

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.