Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 21/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 21/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 21/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris
 
Lucas Mendes Menezes é curador da mostra "Images Voyageuses – Photographies brésiliennes en France" RFI

Anos 40, fim da segunda guerra mundial, momento em a fotografia brasileira começou a viajar o mundo. A exposição "Images Voyageuses – Photographies brésiliennes en France", ou "As Imagens Viajantes – a fotografias brasileiras na França" da Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, mostra como os fotógrafos amadores da época ajudaram a formar gerações de artistas brasileiros.

Tudo começou com fotoclubes no Rio de Janeiro e em São Paulo, que organizavam, nos anos 40, as primeiras exposições e salões nacionais para a difusão da arte fotográfica. Em 1946, o Salão Internacional de Arte Fotográfica em Paris recebe as primeiras contribuições brasileiras. Em 51, são 21 fotos em cartaz e, em 1960, uma exposição toda consagrada a artistas brasileiros. São essas imagens, tanto as aceitas quanto as recusadas, que ilustram a exposição "Imagens Viajantes", e que são, segundo a Fundação Gulbenkian, essenciais para compreender as vitórias, as derrotas e os limites dos artistas brasileiros da época.

"Eu acho que é interessante justamente porque, como eles não tem um compromisso com algum movimento específico, têm liberdade de criação, a possibilidade de se relacionar com outros meios, de dialogar com outras épocas e estilos da fotografia, e com outras artes também", diz Lucas Mendes Menezes, curador da mostra junto dom Marion Perceval.

Novos artistas ainda se beneficiam do imaginário brasileiro

Segundo Menezes, hoje em dia ainda há um vestígio da curiosidade documental em torno do Brasil, o que dá projeção a artistas contemporâneos brasileiros e os inspira. “A Rosângela Rennó, por exemplo, tem uma relação muito forte com a fotografia de arquivos e com a reapropriação de imagens”, cita o curador.

As imagens do país também estão interessando cada vez mais o mercado da arte. Grandes museus, como o Moma, em Nova York, e o Tate Modern, em Londres, têm acrescentado obras de fotógrafos brasileiros a seus acervos.

"Eu acho que o mundo está notando que essas imagens brasileiras são diferentes, elas fizeram sucesso e viajaram o mundo na época em que foram produzidas, mas hoje a gente pode perceber esse olhar de valorização porque tem algo ali peculiar," diz Menezes.

Para quem tiver interesse em ver as fotografias de perto, a exposição vai até o dia 14 de novembro na Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris.

(Ouça a entrevista na íntegra clicando na foto acima)


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    "Hercule Florence foi um inventor isolado da fotografia": Boris Kossoy, historiador

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Arte é espaço de luta contra intolerância, diz fotógrafo Joaquim Paiva

    Saiba mais

  • Cultura

    Principal museu de fotografia de Paris faz temporada dedicada ao Brasil

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.