Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/10 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/10 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Jorge Antunes: “Faço música eletrônica para mexer com intelecto, e não com o esqueleto”

Jorge Antunes: “Faço música eletrônica para mexer com intelecto, e não com o esqueleto”
 
Antunes: o Pai da música eletrônica brasileira. RFI/Maurício Assumpção

O compositor brasileiro Jorge Antunes está de passagem por Paris para divulgar seu novo trabalho. Além de um CD, o artista pioneiro da música eletrônica apresentou na capital francesa uma projeção de uma ópera baseada na vida de Olga Benário Prestes.

Atuante desde o início dos anos 1960, Antunes é um artista eclético, que compõe desde ópera a marchinha de carnaval, passando por música de câmara. Mas ele é conhecido principalmente por ser considerado o “pai da música eletrônica no Brasil”.

“Muitos jovens que frequentam baladas hoje pensam que a música eletrônica surgiu no final dos anos 1960, como Tangerine Dream ou Kraftwerk, mas poucos conhecem a história que começou em Paris, com Pierre Schaeffer, em 1948”, comenta o compositor, lembrando que esse estilo musical vai muito além das raves que o popularizou. “Eu costumo dizer que a música eletrônica que faço é para mexer com o intelecto, enquanto a outra, a música de rave, é para mexer com o esqueleto”, brinca.

O compositor está em Paris para lançar o CD Jorge Antunes – Meus pianistas, projeto no qual apresenta obras compostas para amigos interpretarem no piano. Ele também participou de uma projeção do filme da ópera Olga, uma obra baseada na vida de Olga Benário Prestes. “A ópera é o gênero onde me realizo por completo, pois tem cena, teatro, texto”, comenta o compositor, que reivindica a vontade de misturar diferentes disciplinas em seu trabalho.

Além disso, Antunes sempre acrescenta um viés político e quase militante em sua obra, como em suas óperas de rua. “Esse é o modo que tenho visto para contribuir na luta contra a canalhice vigente no Brasil, tanto em Brasília quanto na política nacional”, lança. “O compositor não pode ficar em uma torre de marfim, afastado da sociedade”, conclui.

Assista a entrevista completa abaixo ou clique na foto acima.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Edson Secco, designer sonoro: "A música é como uma escultura para mim"

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Criação de música erudita no Brasil está cada vez mais próxima da Europa, diz Maury Buchala

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Música clássica brasileira encontra bossa nova em teatro parisiense

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Alberto Pacheco e Silas Barbosa propõem viagem musical pelo século XIX

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Ligiana Costa, música: "Não tem como desconectar política e cultura"

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Música também é alvo de preconceito, diz pesquisador

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Na França nos sentimos na verdade da música clássica", diz violoncelista

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “A música é um dos legados mais importantes do Brasil”, diz a cravista Rosana Lanzelotte

    Saiba mais

  • Brasil-Mundo

    Maestrina carioca divulga música brasileira em corais na Alemanha

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Música clássica é vista como “caretice” no Brasil, lamenta compositor

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.