Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 11/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 11/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 11/12 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 11/12 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 08/12 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Ai Weiwei espalha obras de tolerância por toda Nova York

media Instalação gigante de Ai Weiwei em Nova York. REUTERS/Stephanie Keith

Uma "jaula dourada" perto da Trump Tower, retratos de imigrantes pendurados em postes de luz: depois de percorrer campos de refugiados e filmar imigrantes em todo o mundo, o artista chinês Ai Weiwei celebra Nova York.

Para a ocasião, ele espalhou mais de 300 obras nas ruas da maior cidade dos Estados Unidos, terra de imigração por excelência.

"Good fences make good neighbors" ("Boas cercas fazem bons vizinhos", verso de um poema de Robert Frost) é o título da exposição, que começa oficialmente nesta quinta-feira (12) e deve seguir até fevereiro, quase uma carta de amor à cidade-mundo onde Ai Weiwei viveu de 1983 a 1993, e novo exemplo de sua empatia com os refugiados do planeta.

Troca amorosa

"Tinha que retribuir meu amor a esta cidade", declarou na terça-feira Ai WeiWei em uma entrevista coletiva no Central Park. Queria prestar uma homenagem "à cidade onde todo jovem artista tem vontade de estar, onde você nunca se sente estrangeiro".

As autoridades municipais deram um apoio considerável à exposição, organizada pela associação nova-iorquina The Public Art Fund. "Nova York é a tela perfeita para o trabalho de Ai Weiwei, que nos faz refletir e favorece o progresso social", declarou o prefeito democrata Bill de Blasio em um comunicado.

A esposa do prefeito, Chirlane McCray, elogiou uma exposição que "chama a atenção sobre as divisões de nosso sistema político e confronta a xenofobia".

Arte por toda a cidade

Há de tudo nas obras expostas tanto em Manhattan como no Bronx, Queens ou Brooklyn por este artista polivalente de 60 anos, sem dúvida hoje o artista chinês mais conhecido no mundo: de obras monumentais até bandeiras que representam imigrantes ilustres fixadas em 200 postes de luz, passando por grades discretamente anexadas a pontos de ônibus ou fotos de refugiados do mundo inteiro expostas em espaços habitualmente dedicados à publicidade.

Entre as obras monumentais, uma jaula dourada de quase sete metros se encontra na entrada sudeste do Central Park. Toda em metal (mais laranja que dourado), a estrutura incorpora cinco torniquetes de metal gigantes que recordam os do metrô de NYC.

Jaulas

A jaula é visível da Trump Tower, onde Donald Trump morava em um apartamento repleto de dourado até sua mudança para a Casa Branca em janeiro. "Eu fiz dourada para agradar" o presidente, disse o artista chinês, antes de criticar uma série de medidas anunciadas pelo governo de Trump.

Os Estados Unidos "estão tentando expulsar muitas pessoas e o decreto migratório, o muro que será construído entre Estados Unidos e México são medidas políticas impensáveis", declarou Ai, que vive entre Berlim e Pequim. "Vivemos em uma época sem tolerância, de divisões, tentamos nos separar de acordo com nossa cor, nossa raça, nossa religião, nossa nacionalidade", acrescentou.

Outra obra monumental, uma espécie de jaula prateada, foi instalada sob o arco do Washington Square Park, perto do apartamento em que Ai Weiwei morou no Lower East Side. Ao ser questionado sobre a China e seu governo, o artista, que foi detido e colocado em prisão domiciliar em seu país até 2015, não parece querer ter ambos como alvos prioritários.

"Cada vez me dou mais conta de que os direitos humanos são gerais, não apenas na China, mas no mundo inteiro", disse. "Sempre devemos ver a humanidade como uma só, estamos todos conectados".
 

(com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.