Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Alheio às críticas, Robert Mugabe diz que permanece na presidência do Zimbábue
Cultura

“Tragam seus filhos para ver gente nua”: campanha do Museu d’Orsay será retomada em Paris

media Cartaz da campanha do Museu d'Orsay e Orangerie tem a mensagem: “Tragam seus filhos para ver gente nua”. facebook.com/museedorsay

Uma bem-sucedida operação de comunicação, lançada em 2015 pelo Museu d’Orsay e o Museu da Orangerie, em Paris, para atrair mais famílias aos locais, será retomada neste mês de outubro em Paris. Um dos cartazes da campanha utiliza a mensagem: “Tragam seus filhos para ver gente nua”.

A operação utiliza, no total, nove cartazes - exibidos em ruas, paradas de ônibus e metrôs de Paris - com obras célebres dos dois museus aliadas a frases divertidas, sempre direcionadas a pais e filhos. Sucesso nas redes sociais, a peça que mais teve êxito utiliza a tela “Femme Nue Couchée” (Mulher Nua Deitada), realizada em 1907, pelo pintor francês Auguste Renoir. Na obra, uma jovem é retratada em uma cama, seios à mostra, o sexo coberto com um lençol. Mas foi a mensagem utilizada no cartaz que chamou a atenção do público: “Tragam seus filhos para ver gente nua”.

A operação foi realizada pela agência parisiense Madame Bovary, com a coordenação da diretora de comunicação do Museu d’Orsay e da Orangerie, Amélie Hardivillier. “A campanha foi muito bem recebida pelo público, apreciada e reproduzida. Não houve nenhuma polêmica em relação a ela”, diz.

Segundo ela, o objetivo da campanha era se colocar no lugar das crianças quando elas vão aos museus, decifrar suas reações e a compreensão que têm das obras. Além disso, a operação de comunicação brinca com uma inversão de valores: “queríamos mostrar que são as crianças que levam os pais aos museus”.

Para Hardivillier, todos devem ir a exposições de arte. O maior desafio para sua equipe, afirma, é justamente de que forma atrair diferentes públicos ao local, entre eles, crianças e adolescentes. Para isso, segundo ela, é preciso relacionar obras históricas a assuntos atuais. “São Sebastião é um santo. Mas pode se tornar um ícone gay se você o observar nas pinturas com o olhar de hoje”, ressalta.

A diretora de comunicação salienta que nenhuma obra do museu tem censura de idade, nem mesmo a emblemática L’Origine du Monde (A Origem do Mundo”, tela de realizada por Gustave Courbet em 1866). Isso não exclui por exemplo, o debate em torno da pintura adquirida pelo museu em 1995, que é protegida por um vidro e fica em uma sala especial do museu. “Há a relação com a nudez que leva ao debate, sobretudo sobre essa obra, que é tão sensível. Mas essa também é a função da arte: incomodar, questionar”, reitera.

"The Origin of the World", 1866, de Gustave Courbet. Wikimedia Commons

“Queer Museum” e “La Bête”

Hardivillier expressa sua surpresa sobre os episódios do fechamento da exposição “Queer Museum”, no Santander Cultural de Porto Alegre, e a polêmica que gerou a performance “La Bête”, do artista carioca Wagner Schwartz, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. “Sei que São Paulo é palco de belas exposições. É muito grave essa situação. Fico triste com essa notícia”, lamenta.

Artistas e curadores brasileiros que vivem na França também manifestam sua indignação, como Fabrícia Martins. A artista, radicada em Paris, é amiga de longa data de Schwartz, e acompanhou a criação da performance pelo carioca na capital francesa. Segundo ela, o carioca está “abaladíssimo, em estado de choque e é alvo de ameaças”.

Para Fabrícia, as manifestações contra a arte no Brasil não passam de uma manobra política. “A liberdade artística está virando moeda das próximas eleições. A performance de Wagner Schwartz viralizou na internet devido a um vídeo descontextualizado. Pessoas que nunca foram ao museu o viram e se chocaram. Os políticos estão tirando proveito disso. A extrema-direita está encabeçando essa espécie de caça às bruxas na classe artística”, diz.

A artista lembra que o trabalho do carioca não tem nenhuma conotação erótica, mas os brasileiros estão condicionados ao erotismo. “A sociedade brasileira é extremamente erotizada. O Brasil é o quarto país no mundo onde mais são realizados casamentos com menores de idade. E a gente sabe que a pedofilia no Brasil acontece sobretudo nas famílias. Então, trabalhos como os de Wagner Schwartz são potentes porque trazem à tona esse imaginário camuflado.”

La Bête, onde Wagner Schwartz manipula uma réplica de plástico de uma das esculturas da série Bichos (1960), de Lygia Clark. © wagnerschwartz.com

Para o galerista e curador Ricardo Fernandes, especialista em arte contemporânea radicado em Paris, os episódios de censura à arte são reflexo de falta de investimento em educação no Brasil. “É primeiramente necessário discutir a decadência da educação brasileira para depois começarmos a falar sobre o acesso à arte e a compreensão da liberdade de expressão”, afirma.

Segundo ele, o nu não é o centro da polêmica, mas a interpretação falha da arte que utiliza o nu, por conta da falta de informação e capacidade para entendê-la. “Todos nós chegamos nus ao mundo e isso é natural a todos nós. Mas foi a desinformação que gerou a polêmica, propagada por um grupo radical. Esse grupo interpretou as obras de forma errônea e a espalhou pelo Brasil.”

Para o galerista e curador, a questão se resolve com educação básica. “As pessoas precisam ter acesso à escola, aprender a interpretar e a questionar, conhecer bases culturais e históricas. A educação tem o poder de transformar uma sociedade”, completa.

Segundo Fernandes, é o acesso à educação de qualidade que evita que polêmicas como essas aconteçam na França. “Foi isso que possibilitou que os franceses desenvolvessem uma visão em relação à arte muito mais ampla. Ir a uma galeria ou a uma exposição é um programa cultural comum na França, onde os museus são também locais de reunião e de encontro de amigos e famílias”, conclui.

Veja abaixo outros cartazes da campanha de comunicação do Museu d'Orsay e do Museu da Orangerie:

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.