Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/12 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 17/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 17/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Em 20 anos, nunca vi uma crise tão longa no mercado de arte brasileiro, diz galerista Maria Baró

Por
Em 20 anos, nunca vi uma crise tão longa no mercado de arte brasileiro, diz galerista Maria Baró
 
A galerista espanhola Maria Baró é a curadora da 3ª edição do Art Marbella L. Belchior

Começou neste fim de semana e vai até sexta-feira (4) a Art Marbella. A 3ª edição da feira de artes do litoral espanhol tem desta vez um toque brasileiro, já que a curadoria é feita por Maria Baró, da galeria paulistana Baró. Radicada no Brasil há 20 anos, a galerista espanhola vê no evento da Costa do Sol uma possível porta de entrada na Europa para a nova produção artística brasileira, que sofre com a atual crise no Brasil.

Luisa Belchior, correspondente da RFI na Espanha

A feira surgiu na carona da abertura de uma série de museus na cidade de Málaga, vizinha a Marbella. Em 2015, a primeira sede do Centro George Pompidou, de Paris, aterrissou na cidade, junto com uma filial do Museu russo de San Petersburgo, a primeira na Europa. Desde então, Art Marbella vem atraindo colecionadores do mundo todo. “É um local muito interessante, porque tem pessoas da Europa, do mundo árabe, do norte da África e da Rússia”.

Segundo Maria Baró, o evento do sul da Espanha é também a expressão de uma nova tendência no mercado das artes: a de feiras e encontros menores e em destinos pouco convencionais para o setor. É o caso da Este Arte, a feira de arte contemporânea que acontece há três anos em Punta del Este, no Uruguai, ou da feira de Monte Carlo. “Acho que nesses lugares as pessoas estão relaxadas, porque é verão. Há uma saturação no mercado de grandes feiras, porque as pessoas já não têm mais tempo, os galeristas ficam muito cansados. Aqui temos mais tempo de conversar com as pessoas, é um cenário mais íntimo”, opina.

A galerista também vê a Art Marbella como uma nova vitrine para artistas do Brasil. “A arte brasileira ainda é muito desconhecida do povo espanhol, comparando com mercados como o russo e o árabe. Então é também uma novidade”.

Ao comparar o mundo da arte dos dois lados do oceano, a galerista explica que “o Brasil nunca teve um apoio como na Espanha, onde os artistas têm uma ‘almofada’ nas instituições. O artista brasileiro é muito sozinho”. Além disso, ela destaca que o mercado brasileiro tem sofrido uma queda muito importante nos últimos dois anos. “O Brasil era muito atuante, inclusive nas grandes feiras, como em Londres, na Basileia ou em Miami. Mas os colecionadores brasileiros deram uma parada. Em 20 anos, essa é a primeira vez que vejo uma crise tão longa no Brasil”, analisa.

Em compensação, a crise parece ter um impacto na criatividade, segundo a galerista. “Os artistas brasileiros estão voltando a fazer obras mais políticas, e acho que daqui a uns dois anos vamos começar a ver os resultados”, aposta Maria Baró.

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima.


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil-Mundo

    Brasileiros abrem galeria de arte inovadora em Lisboa

    Saiba mais

  • Espanha/Artes plásticas

    Toledo recebe maior exposição já dedicada a El Greco

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.