Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

"Paris é uma cidade que me inspira": Raul Mascarenhas, saxofonista

 
O saxofonista e compositor brasileiro Raul Mascarenhas RFI

A França é uma inspiração para o saxofonista e compositor brasileiro Raul Mascarenhas, 64 anos, radicado no país desde 1998. Na entrevista a seguir, ele conta como nasceu essa paixão.

“Minha relação com a França começou quando eu tinha 19 anos, vim trabalhar, foram dois anos, mas sempre fiquei com a França na cabeça. Voltei para o Brasil por causa de planos pessoais, mas retornei umas 50 vezes, acompanhando artistas como Gilberto Gil e outros. Em 1998, vim para ficar”, conta o músico, que mora em Montreuil, subúrbio próximo de Paris.

"Johnny Alf foi um presente"

Mascarenhas conta que trabalhar com Johnny Alf foi fundamental em sua carreira. “Foi um dos maiores presentes da minha vida – um grande compositor, uma pessoa adorável, um príncipe, que me ensinou muitas coisas e que gostava da noite. Tem músico que não gosta disso, mas a gente tocava no Rio, todas as noites, durante quase dois anos, com uma folga por semana. Tenho muitas saudades desse tempo”, diz o saxofonista.

Na França, Mascarenhas trabalha em diferentes frentes. Toca muito em clubes tradicionais de jazz, como o mítico Duc des Lombards, em Paris. Desde que chegou no país, ele é parte de um trio, o Bossa Brasil, que também tem Paulo Guima e Alina Papa na formação. “Moramos em cidades diferentes, mas a gente se reúne e toca regularmente em Mônaco, St. Tropez e outras cidades”, diz.

"Sax DJ"

O músico fala com entusiasmo de uma outra atividade que vem exercendo ultimamente, a de “sax DJ”, ou seja, tocar jazz e combinar com outros sons. “Se um cliente gostar de ‘La Vie em Rose’, por exemplo, eu faço um solo e logo encaixo uma house music”, explica.

Quanto ao Raul compositor, ele conta que compõe institivamente. “Sou autodidata em tudo, tive aulas esporádicas, mas não segui nenhuma educação formal. No Brasil, quando eu tinha carro, compunha dirigindo. Foram quatro discos solos e outras em parceria. Vou confessar, nunca procurei por isso, sempre gostei de tocar com outros, sou meio preguiçoso, mas os álbuns aconteceram”, revela o artista.

Para saber mais sobre o trabalho de Raul Mascarenhas, clique no vídeo abaixo:


Sobre o mesmo assunto

  • "Me sinto estrangeiro na cena musical brasileira", diz Carlinhos Brown

    Saiba mais

  • Música Brasileira

    Carlinhos Brown é uma das principais atrações de festival de verão de NY

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Aos 78 anos, Dona Onete mostra seu "carimbó chamegado" em Paris

    Saiba mais

  • Música

    Paul McCartney evita disputa com Sony sobre direitos autorais dos Beatles

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.