Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Naomi Kawase aborda em Cannes a magia do cinema para deficientes visuais

media Hikari concorre à Palma de Ouro este ano em Cannes. 2017 KINO FILMS - COMME DES CINEMAS - KUMIE

A diretora japonesa Naomi Kawase apresentou nesta terça-feira (23) em Cannes o filme Hikari (Radiance), em competição pela Palma de Ouro. O filme trata com muita poesia a percepção da beleza cinematográfica quando se é deficiente visual.

Enviado especial a Cannes

Como restituir a beleza e a tristeza de um filme apenas com as palavras? Essa é uma das primeiras questões levantadas por Naomi Kawase em “Hiraki”, a única produção na corrida pela Palma de Ouro nesta terça-feira.

A cineasta contra a história de Nakamori, um célebre fotógrafo que começa a perder a visão. Em meio a esse processo difícil, ele conhece Misako, uma jovem cuja profissão é fazer descrições de filmes para deficientes visuais.

Misako não parece viver isso como trabalho, e sim como uma missão. A tal ponto que mesmo quando está sozinha nas ruas, descreve tudo o que vê. "O mundo é às vezes mais rico quando se fecha os olhos", comenta a personagem. 

Porém, mesmo se a moça tenta como pode narrar as cenas dos filmes com a maior riqueza de detalhes possível, sua versão das imagens não convencem Nakamori, que não apenas conhece a sensação da visão, como também colaborou no projeto de filme que a jovem “traduz”.

Naomi Kawase, que há exatamente 20 anos ganhava a Câmera de Ouro com seu primeiro longa-metragem, "Suzaku", aposta novamente no sentimentalismo. Mas desta vez de forma menos açucarada que em “Sabor da Vida”, que também passou por Cannes em 2015 na mostra Un Certain Regard.

A cineasta, habituée do evento da Riviera francesa, dividiu a plateia de jornalistas e críticos que assistiram o filme pela manhã. Mesmo assim, a força das imagens, típica das produções da japonesa, está presente e vale a pena ser vista. Sem esquecer a bela colaboração com o músico Ibrahim Maalouf, que dá o ritmo e completa a poesia da história.

Acompanhe a cobertura completa do Festival de Cinema de Cannes na RFI.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.