Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Pedro Almodóvar ataca Netflix na abertura do 70° Festival de Cinema de Cannes

media O cineasta espanhol Pedro Almodóvar criticou a postura do Netflix durante entrevista coletiva na abertura do 70° Festival de Cinema de Cannes. Regis Duvignau

A cerimônia de abertura da 70ª edição do Festival de Cannes acontece na noite desta quarta-feira (17), mas o evento já foi marcado, antes mesmo da projeção de estreia, pelas primeiras declarações polêmicas. O diretor Pedro Almodóvar criticou a postura do Netflix.

Presidente do júri do Festival de Cannes, o espanhol Pedro Almodóvar comentou a polêmica sobre "Okja", do diretor sul-coreano Bong Joon-Ho, e "The Meyerowitz Stories", do americano Noah Baumbach, duas produções do Netflix que não poderão ser vistos nos cinemas da França por causa da regulamentação nacional. "Seria um enorme paradoxo que uma Palma de Ouro (...) ou qualquer outro filme premiado não pudesse ser visto em salas" de cinema, disse o cineasta, convocando as plataformas em streaming a "aceitar as regras do jogo".

Almodóvar fez as declarações na entrevista coletiva ao lado dos outros membros do júri, incluindo os atores americanos Will Smith e Jessica Chastain, assim como o diretor sul-coreano Park Chan-Wook, antes do início da 70ª edição do Festival de Cannes. Smith adotou uma postura conciliadora com a Netflix, ao assegurar que seus filhos assistiam filmes na plataforma e também no cinema. Trata-se de duas formas "completamente diferentes de entretenimento", declarou o ator.

A questão provocou tamanha indignação entre as salas de cinema da França que os organizadores do festival se viram obrigados a mudar a regra para as próximas edições. Desta maneira, a partir de 2018 apenas filmes com o compromisso de passar nas salas francesas serão selecionados em Cannes.

Dezenove filmes - a maioria de diretores já consagrados no Festival da Riviera francesa - estão na mostra oficial. Um dos favoritos é "Happy end", do austríaco Michael Haneke, que pode se tornar o primeiro cineasta vencedor de três Palmas de Ouro, após os triunfos de "A Fita Branca" e "Amor".

(Com informações da AFP)

Acompanhe a cobertura do 70° Festival de Cinema de Cannes na RFI

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.