Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/04 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/04 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/04 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/04 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Estátuas de faraós de 3 mil anos são encontradas perto do Cairo

media Estátua de faraó encontrada por equipe de arqueólogos Reuters

Uma equipe de arqueólogos anunciou na noite da quinta-feira (9) a descoberta no Cairo de duas estátuas de faraós de mais de 3 mil anos de antiguidade.

As relíquias foram encontradas no distrito de Mattarya, local da antiga capital Heliópolis, hoje um bairro populoso nos arredores do Cairo. O anúncio reforça a hipótese sobre a escultura gigantesca do Templo do Sol que se encontrava nesse local na época do faraó Ramsés II.

Segundo Ayman Ashmawy, chefe da equipe de arqueólogos egípcios e alemães, alguns dos restos correspondem a uma estátua de 8 metros de comprimento, esculpida em quartzo, e que representa "provavelmente" o próprio Ramsés II.

"Essa estátua não pode ser identificada, mas o fato de que se encontre às portas do templo do faraó poderia significar que lhe pertence", explicou o ministério egípcio de Antiguidades. O outro fragmento da estátua é de calcário e pertenceria à época do rei Seti II.

Dinastia XIX

Ramsés II e Seti II eram faraós da dinastia XIX, que governaram de 1314 a 1200 a.C. "A descoberta das duas estátuas mostra a importância de Heliópolis, dedicada ao culto de Rá", o deus do Sol do Antigo Egito, explicou Ashmawy.

Heliópolis ficou muito danificada durante a época greco-romana, quando a maior parte dos seus obeliscos e colossos foi transportada a Alexandria ou à Europa.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.