Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Laís Bodanzky, cineasta: "Público europeu é sensível ao tema da mulher"

Laís Bodanzky, cineasta:
 
A cineasta Laís Bodanzky apresenta “Como Nossos Pais” na mostra Panorama Especial do Festival de Berlim RFI/Letícia Constant

A cineasta e roteirista paulista Laís Bodanzky, premiadíssima com “Bicho de Sete Cabeças”, está na Berlinale deste ano com seu novo longa, “Como Nossos Pais”. O filme trata de um drama em torno de uma mulher que cobra de si mesma estar à altura de tudo o que é esperado dela, como ser esposa, mãe e filha perfeita.

Enviada especial a Berlim

Por que a cineasta escolheu essa temática da "supermulher" e do questionamento interior que ela faz em relação a esse papel? "Acho que é um pensamento de toda mulher nos dias de hoje, acho que de uma certa forma a gente herdou uma conquista muito grande da geração da minha mãe através do movimento feminista dos anos 60 e 70. Mas depois, o que a gente faz com toda essa conquista? Porque a gente só conquistou, a gente não trocou papeis. A mulher hoje está sobrecarregada de ter que fazer tudo muito bem feito, o que é impossível. Esse é um dilema da mulher contemporânea”, explica a diretora, em entrevista à RFI durante a Berlinale.

Essa necessidade de perfeição é o conflito interior da personagem Rosa, interpretada com intensidade pela atriz Maria Ribeiro. “A personagem começa a refletir sobre isso e percebe que não é ela quem decide a própria vida", analisa a cineasta, acentuando que o filme discute o papel da mulher hoje, mas também como as mulheres se relacionam entre si.

Um aspecto muito interessante de “Como Nossos Pais” é o lugar onde o homem é colocado em relação ao universo psicológico feminino. Ele não é visto como rival mas como o companheiro que tenta se adaptar a essa nova mulher, empoderada e com sensação de conquista. "Não é um contra o outro, é junto. Tem que achar o ponto de equilíbrio", reflete Laís.

A cineasta se surpreendeu com a receptividade do público europeu a essa temática da mulher contemporânea: "A reação tem sido muito rica, as mulheres se identificando com o tema e os homens também, me fazendo perguntas excelentes", observa a diretora.

O longa “Como Nossos Pais” está na mostra Panorama Especial do Festival de Berlim.


Sobre o mesmo assunto

  • Berlinale/Brasil/Temer

    Na Berlinale, Marcelo Gomes lê carta de protesto de cineastas contra Temer

    Saiba mais

  • Cinema

    Sob aplausos, filme brasileiro "Vazante" abre Mostra Panorama do Festival de Berlim

    Saiba mais

  • Cinema

    Festival de Berlim começa, com Brasil na corrida pelo Urso de Ouro

    Saiba mais

  • Joaquim/Berlim

    "Joaquim", filme de Marcelo Gomes sobre Tiradentes, concorre ao Urso de Ouro em Berlim

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.