Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Festival de Berlim começa, com Brasil na corrida pelo Urso de Ouro

media Ator Júlio Machado em cena de "Joaquim", de Marcelo Gomes, em competição na Berlinale 2017 Flickr/ Creative Commons

Nesta quinta-feira (9), abre a 67ª edição do Festival de Cinema de Berlim, um dos mais importantes da Europa, com cerca de 400 produções. Neste ano o Brasil tem uma participação excepcional, com uma safra de 12 filmes programados, entre eles, o longa “Joaquim”, que compete pelo prêmio máximo.  

“Django”, a biografia do guitarrista Django Reinhardt, abre esta edição da Berlinale 2017. Dirigido pelo francês Etienne Comar, o filme mostra uma outra faceta do gênio do violão, a de cigano perseguido com sua família pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, quando Paris estava ocupada pelos alemães.

A escolha de começar a mostra com esse filme, que trata de racismo e violência, já dá o tom do engajamento do festival, conhecido por ser também uma plataforma política. Não vai surpreender ninguém se nomes famosos utilizarem os holofotes para denunciar questões preocupantes da atualidade, como a postura do novo presidente norte-americano Donald Trump ou a onda populista que se espalha pelo mundo.

Sobre a programação deste ano, Dieter Kosslick, curador e presidente da Berlinale, comentou que vários filmes foram selecionados por tentar explicar a realidade sob uma perspectiva histórica. Nesse contexto, encaixa-se “Joaquim”, do diretor brasileiro Marcelo Gomes, sobre a vida de Tiradentes, um dos 18 longas-metragens em competição.

As temáticas são múltiplas, da crise de pânico ("Ana, Mon Amour") a uma festa que termina em sangue ("The Party"), passando pelos últimos anos de vida da pintora canadense Maud Lewis ("Sally Hawkins") ou um romance em um abatedouro ("On Body and Soul").

O júri será presidido pelo diretor holandês Paul Verhoeven, que brilha atualmente nas telas com “Elle”, estrelado pela atriz francesa Isabelle Huppert, indicada para o Oscar ao prêmio de melhor atriz. Ousado e provocador, Verhoeven declarou estar ávido para ver filmes polêmicos, “éticos ou imorais, tanto faz”, disse, em coletiva à imprensa. Entre outros integrantes do júri, estão o ator mexicano Diego Luna, a atriz americana Maggie Gyllenhaal e o artista contemporâneo dinamarquês Olafur Eliasson.

Filmes concorrentes ao Urso de Ouro

"Have a nice day" - Liu Jian (China)
"Ana, mon amour" - Calin Peter Netzer (Romênia, Alemanha e França)
"On the beach at night alone" - Hong Sangsoo (Coreia do Sul)
"Beuys" - Andres Veiel (Alemanha)
"Colo" - Teresa Villaverde (Portugal)
"The Dinner" - Oren Moverman (Inglaterra)
"Django" - Etienne Comar (França)
"Félicité" - Alain Gomis (França, Senegal, Bélgica, Alemanha e Líbano)
"Bright Nights" - Thomas Arslan (Alemanha, Inglaterra)
"Joaquim" - Marcelo Gomes (Brasil)
"Mr. Long" – Sabu (Japão, Hong Kong, China, Tailândia e Alemanha)
"The Party" - Sally Potter (Inglaterra)
"Pokot" - Agnieszka Holland (Polônia)
"Return to Montauk" - Volker Schlondorff (Irlanda, Alemanha e França)
"On Body and Soul" - Ildikó Enyedi (Hungria)
"The Other Side of Hope" - Aki Kaurismaki (Finlândia e Alemanha)
"Una Mujer Fantástica" - Sebastián Lelio (Espanha)
"Wilde Maus" - Josef Hader (Áustria)

Brasil, uma programação excepcional na Berlinale 2017

Em um ano particularmente frutuoso, 12 filmes brasileiros estão na programação do festival, em diversas mostras.

“Joaquim”, do pernambucano Marcelo Gomes, concorre ao Urso de Ouro, quebrando um jejum de três anos de filmes nacionais na competição oficial. A última vez foi em 2014, com “A Praia do Futuro”, do cearense Karim Ainouz.

“Estás Vendo Coisas”, de Barbara Wagner e Benjamin de Burca, compete pelo Urso de Ouro na categoria de curtas.

Na seção Panorama, cinco filmes representam o Brasil: “Pendular”, de Júlia Murat, “Vazante”, de Daniela Thomas, “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky, “No Intenso Agora”, do documentarista João Moreira Salles e o curta de animação “Vênus-Filó, a Fadinha Lésbica”, de Sávio Leite.

A efervescente mostra Geração (Generation), voltada para filmes sobre a juventude, apresenta “Não Devore Meu Coração”, de Felipe Bragança, “As Duas Irenes”, de Fabio Meira, “Mulher do Pai”, de Cristiane Oliveira, além do curta “Em Busca da Terra sem Males”, de Anna Azevedo.

Na seção Forum, de abordagem mais experimental, participa o longa “Rifle”, de Davi Pretto.

Os famosos deste ano

O ator americano Richard Gere, que atua em “The Dinner”, estará na Berlinale, ao lado de Ewan McGregor, Hugh Jackman, Catherine Deneuve e Penélope Cruz, atriz principal do longa “ A Rainha da Espanha”, fora de competição. A inglesa Kristin Scott Thomas e o ator Timothy Spall também estarão presentes com a comédia “The Party”.

O ator britânico John Hurt, que morreu em janeiro deste ano, será homenageado com a projeção de “An Englishman in New York”, de Richard Laxton.

O Festival de Berlim acontece de 9 a 19 de fevereiro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.