Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Música clássica brasileira encontra bossa nova em teatro parisiense

Música clássica brasileira encontra bossa nova em teatro parisiense
 
O cravista e maestro Bruno Procópio dirige um programa de música brasileira apresentado pela orquestra Lamoureux RFI

O teatro do Champs-Elysées, um dos principais de Paris, recebe neste domingo (4) a Orquestra Lamoureux, que apresenta um programa especial dedicado à música brasileira. A formação é regida pelo maestro e cravista franco-brasileiro Bruno Procópio, que reúne no palco obras de compositores como Tom Jobim, Villa-Lobos e Sigismund Neukomm.

O concerto deste domingo faz parte das comemorações do bicentenário da missão artística francesa no Brasil, quando um grupo de artistas europeus desembarcou no país latino-americano com o objetivo de criar a Academia de Belas Artes do Rio de Janeiro. Dessa temporada surgiram obras com a do austríaco Sigismund Neukomm, que participou da missão, e que estará no programa apresentado pela orquestra Lamoureux, formação fundada no século 19.

“O público vai escutar um repertório eclético”, conta Procópio. “Começaremos com Darius Milhaud, um compositor francês que foi ao Brasil no começo de século 20, onde compôs ‘Saudades do Brasil’, em seguida a Bachianas n°5, de Villa-Lobos, sua obra mais conhecida, e faremos também a Garota de Ipanema, de Tom Jobim, em uma versão sinfônica, com crianças cantando o tema. Já na segunda parte teremos Neukomm”, relata o maestro que, sempre que pode, promove a produção musical brasileira do final do século 18 e início do século 19. “Todo o repertório do século 20 é interpretado com frequência nas grandes orquestras brasileiras, mas o repertório colonial é muito conhecido, restaurado, editado, mas pouco tocado.”

(Ouça a entrevista completa clicando na foto acima)


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Rodrigo Amarante, músico: "Não me interessa abraçar nenhum rótulo"

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Nossa geração tem interesse em ampliar fronteiras”, diz Maria Gadú

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Vanessa da Mata na Europa: quero trazer o público para minha intimidade

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.