Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/03 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/03 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/03 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/03 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/03 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/03 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/03 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/03 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Concerto da Orquestra Juvenil da Bahia em Paris termina em frevo

media Concerto da orquestra juvenil da Bahia na Filarmônica de Paris encerrou turnê europeia. RFI

A orquestra Juvenil da Bahia encerrou na noite desta segunda-feira (12), em Paris, sua turnê na Europa. Os jovens sob a batuta do maestro Ricardo Castro e acompanhados pela pianista argentina, Martha Argerich, impressionaram o público pela qualidade musical do repertório apresentado na grande sala da Filarmônica de Paris e pela energia em cena.

A Juvenil da Bahia foi a primeira orquestra brasileira a se apresentar na sala Filarmônica de Paris. A casa estava lotada. Os ingressos, colocados à venda em maio, esgotaram em 24 horas.

Contrariando a tradição, o maestro e pianista Ricardo Castro entrou no palco com um microfone para dar boa noite ao público e explicar a história da orquestra, que é a principal formação do projeto educativo e social Neojiba (Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia). Ele dedicou o concerto ao jovem estudante de violoncelo Marcelo que morreu assassinado, no último sábado (10), em um bairro carente de Salvador sem poder realizar o sonho de integrar o grupo. “Tocar, cantar e lutar nunca foram tão necessários”, afirmou o maestro.

Villa-Lobos, Shostakovich, Tchaikovsky e frevo "Vassourinhas"

O concerto foi a cara da Orquestra Juvenil da Bahia, diversificado, com muita energia e improvisações. O espetáculo começou com Choros n°6 de Villa-Lobos, uma das melhores obras do compositor, que revela a alma brasileira que “ri e que chora”, resumiu Ricardo Castro.

A segunda interpretação da noite foi o concerto para Piano e Trompete n°1 de Shostakovich, solado pelo trompetista, Helder Passinho, membro fundador do Neojiba, e pela argentina Marta Argerich, uma das melhores pianistas do mundo. Para agradecer os aplausos, a orquestra teve que reprisar uma parte do concerto de Shostakovich e Martha Argerich tocou, com Ricardo Castro, uma música a quatro mãos no piano.
No segundo ato, o grupo interpretou com brio a Sinfonia n° 4 de Tchaikovsky. O bis, comandado pelo jovem maestro baiano Cássio Bitencourt, de apenas 23 anos, levou o público francês ao delírio. Martha, Ricardo e todos os músicos da orquestra voltaram ao palco para interpretar um expressivo “Tico-tico no fubá” (Zequinha de Abreu).

O grupo foi ovacionado de pé durante vários minutos e os jovens músicos baianos deixaram o palco ao som do popular frevo "Vassourinhas", após quase três horas de espetáculo.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.