Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 20/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 14/01 08h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Vidros de Murano inspiram “arquiteta-artista” brasileira radicada em Paris

Vidros de Murano inspiram “arquiteta-artista” brasileira radicada em Paris
 
A "arquiteta-artista" Daniela Busarello expõe atualmente em Paris. RFI

Radicada em Paris desde 2007, a brasileira Daniela Busarello mistura as disciplinas desde que chegou à Cidade Luz. Arquiteta de formação, ela se aventura na cenografia, concebe objetos e envereda aos poucos por um caminho mais artístico, principalmente depois que começou a imaginar esculturas realizadas com vidros de Murano. Algumas dessas criações estão expostas atualmente na capital francesa.

O trabalho de Daniela Busarello é apresentado dentro do “Parcours du Monde”, um evento organizado na Galeria Agnès Monplaisir, em Paris, até 5 de novembro. Na mostra, se misturam a obras de vários artistas oito peças únicas da coleção “Mose” e quatro da “Igarapé”, todas sopradas à mão na ilha de Veneza, conhecida por seu artesanato em vidro. “Estou muito feliz com esse reconhecimento, pois eu não sou uma artista da Galeria. Sou uma convidada.”

As peças apresentadas em Paris são fruto de um projeto que a “arquiteta-artista”, como gosta de ser chamada, iniciou em 2010 na Itália. “É um trabalho a oito ou dez mãos, dependendo do tamanha da peça. Cada vez eu vou lá, nós discutimos as cores, eu indico o formato, qual é o processo, pois há diferentes maneiras de se trabalhar o vidro. Mas é sempre soprado, sempre peças únicas e é sempre assinado e numerado”, conta Daniela, que faz questão de ter em cada obra seu nome, mas também a assinatura dos artesãos implicados.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Tulipas imortalizadas por artista brasileira são tema de exposição em Paris

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Brasileira conta como foi ser membro do júri da Bienal de Arquitetura de Veneza

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.