Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Arte é espaço de luta contra intolerância, diz fotógrafo Joaquim Paiva

Arte é espaço de luta contra intolerância, diz fotógrafo Joaquim Paiva
 
Obra de Joaquim Paiva é exposta em museu parisiense. RFI

O trabalho do fotógrafo brasileiro Joaquim Paiva é tema da exposição "Photo Instantanée, Souvenirs de Brasília", em cartaz até 28 de agosto em Paris. A mostra, apresentada na Maison Européenne de la Photographie, uma das principais instituições especializadas em fotografia na Europa, faz parte da Saison Brésilienne (Temporada Brasileira), que traz uma seleção de obras do carioca Celso Brandão, do paulista Vik Muniz e do francês Marcel Gautherot.

As fotografias de Paiva escolhidas pelo museu trazem imagens de Brasília logo após a criação da capital federal. Mas ao contrário de colegas que se detinham à proeza arquitetônica do local, ele ampliou seu foco para os arredores do projeto de Oscar Niemeyer e Lucio Costa e na vida das população, em um trabalho de humanização da arquitetura cerebral da cidade, para retomar a expressão usada pelo curador da mostra, Alban de la Fontaine.

“O que me interessava era essa cidade paralela à cidade sede do governo, símbolo de um ideal arquitetônico. Queria fotografar as pessoas, as fachadas, e a aparência das cidades-satélites, que tinham muita vida e muito dinamismo”, explica Paiva. Razão pela qual, na contramão dos demais fotógrafos que capturaram as imagens históricas de Brasília, sempre em preto e branco, ele preferiu usar cores.

Além de fotógrafo, Paiva é dono de uma das maiores coleções privadas de fotografia no Brasil, composta por obras realizadas por nomes consagrados vindos do mundo todo, como Diane Arbus, Pierre Verger ou Ansel Adams. Parte destas fotos estão depositadas em comodato no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. “Como colecionador, o que me interessa é o comprometimento do artista, a beleza das imagens e os temas contundentes que eu acho que o fotógrafo deve abordar em sua obra. Pois eu acho que a fotografia e a arte têm de ser um espaço de liberdade e de luta constante contra a intolerância.”
 


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Antropóloga e fotógrafa brasileira fala sobre o olhar e imagem através dos séculos

    Saiba mais

  • Fotografia/Sidibé

    Morre o maliano Malick Sidibé, pioneiro da fotografia africana

    Saiba mais

  • Cultura

    Fotógrafo brasileiro celebra voo de Santos Dumont em mostra parisiense

    Saiba mais

  • Cultura

    Paris traz mostra “Quem tem medo de mulheres fotógrafas?”

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.