Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Artista japonesa é condenada por objetos inspirados em própria vagina

media Artista japonesa Megumi Igarashi, condenada por obscenidade, fala à imprensa após veredito. REUTERS/Toru Hanai

Megumi Igarashi, criadora de objetos artísticos inspirados na forma de sua vagina, foi condenada por crime de obscenidade nesta segunda-feira (9), no Japão, após um julgamento de grande repercussão midiática.

O tribunal do distrito de Tóquio condenou Igarashi, de 44 anos, a pagar uma multa de 400 mil ienes (equivalente a R$ 1,3 milhão), metade da quantia requerida inicialmente.

A artista foi presa em julho de 2014 por tentar levantar fundos na internet para financiar a construção de um caiaque, cuja forma seria inspirada em seus órgãos genitais. Na ocasião, ela havia publicado uma imagem 3D de sua vagina para que os internautas pudessem fazer cópias.

No Japão, onde o mercado de pornografia gera milhões de euros, são proibidas certas representações de órgãos genitais. As representações fotográficas ou fílmicas dos órgãos sexuais aparecerem borradas ou obscurecidas.

Esculturas são consideradas obscenas

Igarashi, conhecida como Rokude Nashiko, "menina inútil", foi libertada poucos dias depois, após apresentar um recurso. Meses mais tarde, a polícia de Tóquio prendeu novamente a artista por espalhar esculturas de gesso "obscenas" e enviar e vender CD-ROM com os dados necessários para fabricar o molde.

Nesta segunda-feira ela foi considerada culpada por tais fatos. "Eu sou inocente, lutarei até o fim", disse a artista, anunciando que irá recorrer da sentença. Kenya Sumi, um de seus advogados, disse que "seria lamentável que a decisão intimidasse outros artistas."
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.