Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Wagner Moura vive Pablo Escobar em série internacional "Narcos"

media O ator brasileiro Wagner Moura vive Pablo Escobar em "Narcos". www.netflix.com

O ator baiano Wagner Moura vive a partir desta sexta-feira (28), o chefão colombiano do narcotráfico Pablo Escobar (1949-1993), na série Narcos, uma produção da Netflix e da Gaumont International Television. A produção executiva fica a cargo de José Padilha, que dirigiu Moura no premiado “Tropa de Elite”. A estreia internacional é pela plataforma de vídeos Netflix.

A primeira temporada vai ter dez episódios e gira em torno da transformação de Escobar em chefe do mais poderoso cartel de drogas do mundo. O narrador é o agente Murphy (Boyd Holbrook), enviado dos Estados Unidos para capturar e eliminar o chefão.

A crítica internacional tece elogios a “Narcos”. Para a revista especializada francesa Télérama, a série “é da boa”. O artigo elogia “a noção de tempo indiscutível” de Padilha e diz que o Escobar de Wagner Moura, é carismático, além de “impecável, entre sério, simpático, grotesco e amedrontador”.

"Megalomaníaco"

Para o New York Times, a atuação do ator brasileiro - que passou seis meses em Medellín, quartel-general de Escobar, antes de as filmagens começarem - é digna de um prêmio e o roteiro, de Chris Brancato, é “afiado”.

O jornal inglês The Guardian traz uma entrevista com José Padilha, que é co-criador da série, produtor-executivo e diretor dos dois primeiros episódios. “Não inventamos nada”, diz. “É a historia de um megalomaníaco que acredita que era o maior de todos, um pilantra de muita sorte”, acrescenta.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.