Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Caetano e Gil ignoram polêmica e cantam em Israel

media A turnê internacional de Caetano Veloso e Gilberto Gil foi marcada por polêmica antes da chegada a Tel Aviv. REUTERS/Denis Balibouse

Depois de muita polêmica, os cantores brasileiros Caetano Veloso e Gilberto Gil realizaram nessa terça-feira (28) em Tel Aviv mais um show da turnê “Dois amigos, um século de música”. Os músicos haviam sido duramente criticados pela realização do espetáculo em meio às tensões na região.

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Israel

O show terminou por volta das 17h (horário de Brasília), com os dois baianos sendo ovacionados por um público de mais de 10 mil pessoas. Parte da turnê internacional, que estreou em 25 de junho na Europa, a apresentação acústica reuniu fãs israelenses e brasileiros.

A apresentação foi animada e Gilberto Gil gritou várias vezes “canta Tel Aviv.” Os artistas, no entanto, evitaram falar de política durante show, após a polêmica dos últimos dias, quando a escala israelense da turnê foi duramente criticada por ativistas do movimento "Boicote, Desinvestimento e Sanções contra Israel" (BDS) que pediram seu cancelamento.

Roger Waters, ex-baixista e cantor do grupo Pink Floyd, também escreveu, em maio, cartas a Gil e Caetano pedindo aos brasileiros que boicotassem Israel. O apelo foi ignorado pelos brasileiros.

No entanto, ao chegar em Israel, os baianos se encontraram com ONGs de defesa dos direitos humanos e foram até a Cisjordânia. Na véspera do show, em um evento com organizações locais, Caetano se exprimiu sobre as tensões na região. “Abaixo a ocupação, a segregação e a opressão”, disse o cantor, mesmo se continuou rejeitando o boicote à Israel. O artista alegou acreditar que há pessoas no país que lutam em prol da paz. Além disso, os dois brasileiros afirmaram que gostariam de ver com os próprios olhos o que acontece na região.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.