Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Filme com Regina Casé estreia na França, com elogios da crítica

media O filme brasileiro Que horas ela volta?, de Anna Muylaert, estreou em 120 cinemas do país. facebook.com/quehorasfilme

Muito bem recebido pela crítica francesa, o filme brasileiro Que horas ela volta?, de Anna Muylaert, com Regina Casé no papel principal, estreia nesta quarta-feira (24) em 120 salas de cinema na França. Distribuído pela Memento Filmes, o longa foi vendido para 20 países e é vencedor de vários prêmios internacionais.

O título foi traduzido para o francês como Une seconde mère (“uma segunda mãe”) e teve uma campanha de promoção excepcional em Paris, com cartazes espalhados pelas estações de metrô e ruas da capital. O filme, que só estreia no Brasil no dia 27 de agosto, narra a história de Val, que depois de deixar a filha no interior de Pernambuco, passa 13 anos como babá do menino Fabinho, em São Paulo.

A vida da família e da babá mudam com a chegada da filha dela, Jéssica, que passou dez anos sem falar com a mãe e chega na capital paulista para prestar o vestibular. A obra fala sobre a conturbada relação entre patrões e empregados no Brasil e, principalmente, o distanciamento das mulheres brasileiras de seus filhos, em nome da vida profissional.

A revista L’Express considerou a produção brasileira “esplêndida, emocionante e sutil”. A crítica exalta a delicadeza com a qual a cineasta critica a suposta integração das empregadas domésticas nas casas das famílias de classe média brasileira.

Para a emissora de rádio France Info, o filme é o melhor da semana, ao representar “o verdadeiro Brasil de hoje”, ao mesmo tempo em que é “engraçado e tocante”. Já o jornal Libération chama a atenção para o tom popular de Que horas ela volta?, que “recita as últimas horas de um proletariado a domicílio em declínio, depois de ser por muito tempo a regra na alta burguesia brasileira”.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.