Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Cartunista do Charlie Hebdo lança álbum "Catarse" para superar trauma do atentado

media Capa do álbum "Catarse" ("Catharsis") do cartunista Luz, do jornal satírico Charlie Hebdo. DR

O cartunista francês Luz, do jornal satírico Charlie Hebdo, lança nesta quinta-feira (21) o álbum "Catarse" ("Catharsis", na edição em francês), no qual ele conta como enfrentou o trauma provocado pelo atentado terrorista de 7 de janeiro passado. O ataque à redação da publicação, cometido pelos irmãos Kouachi e reivindicado pela Al Qaeda do Iêmen, deixou 12 mortos.

O desenhista escreve na abertura do álbum: "Um dia um desenho me deixou, o mesmo dia que um punhado de amigos queridos. A única diferença é que ele voltou. Pouco a pouco. Ao mesmo tempo mais sombrio e mais leve".

Com estilos gráficos diferentes, Luz conta a história do reencontro com o desenho e recria a sua vida após o assassinato dos seus amigos, os cartunistas Cabu, Wolinski, Charb, Tignous e Honoré. Ele fala dos pesadelos que o perseguiram nos dias posteriores ao massacre, das crises de paranóia, da angústia de pensar que poderia enlouquecer e da constante proteção policial.

Luz anunciou esta semana que vai deixar Charlie Hebdo em setembro, argumentando que se tornou muito difícil retratar a atualidade. "Os fechamentos [da edição do jornal] se tornaram uma tortura", revelou o artista gráfico ao jornal Libération.

Autor da capa do primeiro número do Charlie Hebdo após o atentado, que mostrava o profeta Maomé chorando, Luz faz poucas alusões ao Islã e aos extremistas. O cartunista já havia afirmado que, depois da grande polêmica provocada pela capa com Maomé, não desenharia mais o profeta dos muçulmanos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.