Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/04 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/04 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

“Sal da Terra”, sobre Sebastião Salgado, ganha prêmio francês de melhor documentário

media Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado dirigiram Sal da Terra. DR

Documentário dirigido pelo alemão Wim Wenders e por Juliano Ribeiro Salgado sobre o trabalho do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado foi o vencedor do César de melhor documentário nesta sexta-feira (20), em Paris. Ganhador do prêmio do júri da seção Um Certo Olhar, em Cannes, Sal da Terra concorre no domingo ao Oscar de melhor documentário. Timbuktu foi o grande vencedor da noite, com sete prêmios, incluindo o de melhor filme.

Sal da Terra traz um retrato de Sebastião Salgado, fotógrafo engajado em causas humanitárias e ambientais. Wenders descobriu o trabalho de Salgado por acaso, em uma galeria, diante de uma foto de uma mulher tuaregue, foto que está até hoje em seu escritório. O diretor alemão se juntou a Juliano, filho do fotógrafo, que já acompanhava o pai, para mostrar as andanças e questionamentos de Salgado pelo mundo.

África

O prêmio de melhor filme foi para Timbuktu, de Abderrahmane Sissako, sobre o cotidiano de uma família em um vilarejo africano invadido por jihadistas. Nascido na Mauritânia, Sissako estudou cinema em Moscou e se instalou na França no início dos anos 90. A África é um tema constante na sua obra, além do exílio e da migração. Timbuktu concorreu à Palma de Ouro em Cannes e é candidato ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Homenagem

O grande homenageado desta 40ª edição do prêmio César foi o ator e diretor americano Sean Penn. A honra foi feita pela atriz francesa Marion Cotillard. Também foi lembrado o diretor Alain Resnais, falecido em 2014. Os atores Lambert Wilson, Sandrine Kiberlain e Pierre Arditi recitaram os títulos do diretor, finalizando com uma canção a três.

Namorada

A atriz Julie Gayet, namorada do presidente francês, François Hollande, subiu ao palco acompanhada do ator Denis Podalydès, para anunciar o prêmio de melhor esperança masculina, que foi para o jovem Kevin Azais. Julie concorreu no ano passado ao prêmio de melhor atriz coadjuvante.

Confira abaixo a lista completa dos vencedores do César 2015:

Melhor filme: Timbuktu
Melhor atriz: Adèle Haenel, por Amor à Primeira Briga (Les combattants)
Melhor roteiro adaptado: Cyril Gely e Volker Schlöndorff por Diplomacia
Melhor ator: Pierre Niney, em Yves Saint Laurent
Melhor filme estrangeiro: Mommy, de Xavier Dolan
Melhor direção: Abderrahmane Sissako, por Timbuktu
Melhor atriz coadjuvante: Kristin Stewart, por Acima das Nuvens (Sils Maria)
Melhor curta-metragem: La Femme de Rio, de Emma Luchini e Nicolas Rey
Melhor documentário: Sal da Terra, de Wim Wender e Juliano Ribeiro Salgado
Melhor montagem: Nadia Ben Rachid, por Timbuktu
Melhor cenário: Thierry Flamand, por A Bela e a Fera
Melhor roteiro original: Abderrahmane Sissako etKessen Tall, por Timbuktu
Melhor guarda-roupa: Anaïs Romand, por Saint Laurent.
Melhor curta de animação: Les Petits Cailloux, de Chloé Mazlo
Melhor longa de animação: La Vallée des Fourmis, de Thomas Szabo e Hélène Giraud
Melhor esperança masculina: Kévin Azaïs Amor à Primeira Briga (Les Combattants),
Melhor música original: Amine Bouhafa, por Timbuktu
Melhor ator coadjuvante: Reda Kateb, em Hippocrate
Melhor primeiro filme: Amor à Primeira Briga (Les Combattants), de Thomas Cailley
Melhor fotografia: Sofian El Fani, por Timbuktu
Melhor som: Philippe Welsh, Roman Dymny, Thierry Delor por Timbuktu.
Melhor esperança feminina: Louane Emara, por Família Bélier
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.