Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 13/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 13/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Dois mortos e seis feridos em ataque a faca na Finlândia

Em Paris, "Exhibit B" gera protestos por mostrar negros enjaulados

Em Paris,
 
Cena de "Exhibit B" mostra mulher negra enjaulada, no espaço cultural Centquatre, em Paris DR

Depois de ter sido cancelada em Londres, devido aos protestos de associações contra o racismo, chegou a vez da performance "Exhibit B", do artista sul-africano Brett Bailey, causar a maior polêmica na França. Apresentado em Paris, no centro cultural Centquatre, o evento mostra negros dentro de jaulas.

São 12 quadros vivos com negros dentro de jaulas, apresentados como vítimas de um sistema injusto e terrível, segundo o criador da ideia, Brett Bayley. Imagens suficientes para causar revolta entre os defensores dos Direitos Humanos e militantes anti-racistas.

Zoológico humano

Brett Bayley argumenta que sua intenção é denunciar o racismo e a xenofobia em nossa época e mostrar como essa visão se origina na história, nos tempos coloniais. As justificativas, porém, não convenceram o público, chocado ao ver figurantes negros como animais, trancados em jaulas.

Todas essas justificativas, porém, não convenceram parte do público, que protestou e até pediu a proibição do evento.

Brett Bayley é apoiado pelo centro cultural, que vê na sua proposta a necessidade de se falar do terror da história colonial no seu país, a Africa do Sul. O diretor do Centquatre, José Manuel Gonçalves, explica que a performance teve um longo preparo antes de ser apresentada e pensa que as pessoas protestam contra a imagem, sem ter visto a performance em si. Sobre os pedidos de proibição da peça, Gonçalves considera uma iniciativa perigosa e mantém a postura de que o espaço democrático na França é essencial e deve ser defendido.

Protestos

Cerca de 200 pessos protestaram diante do local da mostra, que deve ser apresentada até a próxima quarta-feira, 10 de dezembro. Um militante de um grupo chamado "Brigada Anti-Negrofobia", chamou a França de Estado racista por ter aceitado sediar a obra. A sua principal crítica é que os negros são colocados o tempo todo como vítimas, nunca estão em pé ou em situação de dignidade.

No site do centro cultural podemos ler cartas abertas de diversos artistas negros, rappers, e da própria ministra da Cultura, Fleur Pellerin, explicando porque o espetáculo não deve ser cancelado.

 

*Entrevista com José Manuel Gonçalves realizada por Lígia Anjos, da redação lusófona da Rádio França Internacional.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Cultura

    Mostra de Jeff Koons, artista mais caro do mundo, gera polêmica em Paris

    Saiba mais

  • Cultura

    Ópera Cômica de Paris completa 300 anos de muitas paródias e obras-primas

    Saiba mais

  • Cultura

    Começa a temporada de prêmios literários na França

    Saiba mais

  • Cultura

    Museu Picasso reabre em Paris após cinco anos de reformas

    Saiba mais

  • Cultura

    Sucesso desde o século 19, Catacumbas de Paris aumentam horário de visitação

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.