Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Morre Mike Nichols, diretor de “A Primeira Noite de um Homem”

media Mike Nichols, ici en 2004, lors de la présentation de son film « Closer ». REUTERS/Fred Prouser

Mike Nichols, um dos diretores mais premiados do show business americano, morreu nesta quinta-feira (20), aos 83 anos, de uma parada cardíaca. Poucos diretores conseguiram o feito de ganhar o Oscar (cinema), o Tony (teatro), o Emmy (TV) e o Grammy (indústria fonográfica), as mais cobiçadas recompensas do mercado artístico nos Estados Unidos.

No cinema, Mike Nichols, deixou filmes como “A Primeira Noite de um Homem”, que revelou Dustin Hoffman como um jovem universitário que é iniciado sexualmente por uma fogosa mulher mais velha, a senhora Robinson. O tema musical, da dupla Simon e Garfunkel, também marcou época. Nichols também assinou a direção de “Quem tem Medo de Virginia Woolf?”, com Richard Burton e Elizabeth Taylor, e “Ânsia de Amar”, com Jack Nicholson e Art Garfunkel. Depois vieram, entre outros, “Secretária do Futuro”, “Closer – Perto Demais” e “Jogos do Poder”.

Eclético

No teatro ele montou clássicos como Tio Vania, de Tchekov e sucessos de bilheteria, como o musical “Annie”. Uma das suas direções mais marcantes foi a de “Morte de um Caixeiro Viajante”, de Arthur Miller, em 2012, com Philip Seymour Hoffman (que morreu também neste ano) no papel de Willie Loman, um dos ícones da dramaturgia americana. Hoffman tinha 44 anos quando viveu Loman, um homem fracassado de 60 anos. A produção valeu mais um Tony, de melhor “revival” (reencenação).

Ele nasceu Michael Igor Peschkowsky, em Berlim, onde a família judia se instalou depois de deixar a Rússia. Ele foi para os EUA em 1939, aos sete anos, fugindo dos nazistas. Nichols teve problemas de dependência de drogas e álcool. Ex-namorado de Jacqueline Kennedy Onassis, o diretor era casado pela quarta vez com Diane Sawyer, uma das jornalistas mais conhecidas dos Estados Unidos.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.