Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Versão carioca da peça Senhorita Julia volta a ser encenada em Paris

media Versão brasileira do clássico Júlia, dirigida por Christiana Jatahy, em cartaz em Paris. Marcelo Lipiani/Divulgação

Há 125 anos, a peça Senhorita Júlia, do sueco August Strindberg, chocou a sociedade escandinava. O texto falava de uma relação sentimental entre uma jovem aristocrata e um empregado de sua casa, provocando um doloroso e árduo embate entre classes sociais. O Centro Cultural 104, de Paris, reapresenta uma versão carioca do clássico: Júlia, dirigida pela brasileira Christiana Jatahy.

Na versão da carioca, o cenário é uma mansão da burguesia do Rio de Janeiro, onde a jovem patroa Júlia se envolve com o motorista Jelson, consciente e atormentado pela sua condição social. Na peça de Strindberg, nem a paixão consegue dissimular, dissolver ou neutralizar as dificuldades impostas pela ditadura social.

A nova leitura do clássico sueco quebra outros paradigmas. O público acompanha o desenrolar da trama através da atuação dos atores no palco, de trechos filmados e de situações filmadas na hora e transportas para uma telona. Um cameraman segue e interage com Jelson e Júlia. O casal também interpela o público.

Centro Cultural 104

O projeto de Christiane Jatahy é fruto de um convite feito pelo centro cultural 104, que vem se firmando como foco cultural pluridisciplinar no nordeste de Paris, sob direção do franco-português José Manuel Gonçalves. Júlia foi apresentado pela primeira vez em 2013, como parte do festival Temps d’Images, que na versão 2014 trouxe um outro trabalho da diretora carioca, “E Se Elas Fossem a Moscou?”, baseada em outro grande clássico do teatro, Três Irmãs, de Tchekov.

Júlia é vivida pela jovem e intensa Júlia Bernat. Rodrigo dos Santos é o motorista Jelson. Tatiana Tibúrcio, que aparece em cenas projetadas, é a cozinheira que tem um caso com Jelson. A peça está em turnê por cidades da Suíça e da França. Nesta semana, até domingo, dia 16, ela é reapresentada no 104, de Paris.

 

Júlia, de Christiana Jatahy.
Le CENTQUATRE-PARIS
5 rue Curial
De 5 a 15 de novembro.

 

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.