Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Morre a sul-africana Nadine Gordimer, Nobel de Literatura

media Nadine Gordimer recebeu o prêmio Nobel de Literatura em 1991. DR : J. Bauer

A morte da escritora sul-africana Nadine Gordimer, prêmio Nobel de Literatura em 1991, foi anunciada nesta segunda-feira (14). Ela morreu na véspera, aos 90 anos, de câncer no pâncreas. Nadine foi uma das principais vozes contra o regime de segregação racial, o apartheid, na África do Sul.

A situação social em seu país foi tema recorrente em boa parte de seus mais de 30 livros. Em 1974, Nadine Gordimer ganhou o conceituado Booker Prizer,  para livros em inglês. A fama mundial veio com o romance “A Filha de Burger”, de 1980.

No Brasil, a editora Companhia das Letras publicou seis obras da escritora: "Ninguém para me acompanhar", "A arma da casa", "O engate", "De volta à vida", "Beethoven era 1/16 negro" e "O melhor tempo é o presente".

Mandela

Em 2006, a escritora foi escolhida para premiar Nelson Mandela (1918-2013) com a distinção “Embaixador da Consciência”, atribuída pela Anistia Internacional. "Mandela foi e é um revolucionário no melhor sentido da palavra", afirmou na época. Ela destacou a independência intelectual de Mandela e sua aversão ao "politicamente correto".

Nadine Gordimer nasceu em 20 de novembro de 1923, filha de pai judeu da Lituânia e mãe cristã inglesa. Criada em uma cidade da pequena burguesia nos arredores de Johannesburgo, ela começou a escrever aos 15 anos. Seu engajamento pela causa social dos negros fez com que seu trabalho fosse censurado pelo governo de Pretória. A escritora era casada com um proprietário de antiquário e tinha três filhos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.