Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Filmes brasileiros dominam premiação de Festival de Toulouse

media Cena de "O homem das multidões", de Cao Guimarães e Marcelo Gomes. Foto: Divulgação

O cinema brasileiro foi o grande destaque da premiação do Cinélatino, o festival de cinema latino-americano de Toulouse, no sudoeste da França. “O Homem das multidões”, de Marcelo Gomes e Cao Guimarães, ganhou o prêmio principal, o “Coup de Coeur”, que era disputado entre 14 concorrentes.  “Casa Grande”, de Fellipe Barbosa, ganhou em várias categorias: prêmio de público do jornal La Dépêche du Midi, da Fipresci (Federação Internacional de Críticos de Cinema) e revelação da crítica francesa.

Patricia Moribe, enviada especial a Toulouse

A solidão na cidade grande, no caso, Belo Horizonte, dá o tom de “O Homem das multidões”. Juvenal é um condutor de metrô e Margô controla o fluxo dos trens. Cada um vive a sua solidão, até que os caminhos se cruzam. O filme é assinado por Cao Guimarães (artista plástico, documentarista e autor de filmes experimentais) e Marcelo Gomes, de “Cinema, aspirina e urubus”, “Viajo porque preciso, volto porque te amo” e Era uma vez Verônica”.

“Casa Grande”, é o primeiro longa do carioca Fellipe Barbosa, com tom autobiográfico, pois foi filmado na casa em que viveu e relata a crise financeira de uma rica família. O personagem principal, Jean, estudante de uma escola de elite, vivencia os extremos e contradições de uma sociedade desigual.

O curta “O caminhão do meu pai”, de Maurício Osaki, recebeu o prêmio Signis. A obra, filmada no Vietnã, com atores locais, é do paulista que fez seu mestrado no campus de Cingapura da Universidade de Nova York, o que explica a escolha do Vietnã, país próximo e que tinha certa familiaridade com paisagens da infância do diretor no norte do Brasil. A ideia original era tratar da relação entre pai e filho, mas a descoberta de uma pequena e extraordinária menina fez com que o roteiro fosse adaptado para a jovem atriz.

Prêmio dos distribuidores

“Ausência”, de Chico Teixeira, recebeu o prêmio dos distribuidores e exploradores europeus. A produção conjunta do Brasil, Chile e França, vai ter distribuição promovida numa rede de 125 membros europeus. A Confederação Internacional dos Cinemas de Arte vai também se empenhar para favorecer a circulação do filme num circuito de duas mil salas.

Para conferir a lista completa dos vencedores, consulte o site do Cinélatino.

 http://www.cinelatino.com.fr/actu/palmares-de-la-26eme-edition-de-cinelatino

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.