Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Cinema perde Eduardo Coutinho e Philip Seymour Hoffman

media Cena do filme "Cabra Marcado para Morrer", de Eduardo Coutinho. DR

O documentarista Eduardo Coutinho, 81 anos, foi morto a facadas em seu apartamento no bairro da Lagoa, no Rio de Janeiro, neste domingo (2). Um dos maiores cineastas brasileiros, Coutinho fez obras primas como “Cabra Marcado para Morrer”, “Edifício Máster” e “As Canções”. Em Nova York, o corpo do ator Philip Seymour Hoffman, 46 anos, foi encontrado em seu apartamento. A causa da morte pode ter sido overdose.

Eduardo Coutinho foi encontrado sem vida, com sinais de facada em seu apartamento. Sua mulher, também ferida, foi internada. Seu filho Daniel, que tem problemas mentais, também foi internado e pode ter sido o autor do crime.

O cineasta nasceu em São Paulo, em 1933. Chegou a cursar Direito, mas não concluiu. Estudou cinema na França no final dos anos 50, onde fez seus primeiros documentários. Ao voltar ao Brasil em 1960, entrou em contato com o Cinema Novo e com o Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes. Coutinho foi gerente de produção de “Cinco Vezes Favela”.

Um segundo projeto, “Cabra Marcado para Morrer” seria contar a vida de um líder camponês assassinado no interior de Pernambuco. O Golpe Militar de 1964 interrompeu as filmagens. Parte da equipe foi presa, o restante se dispersou. Vinte anos depois, Coutinho foi atrás dos personagens, principalmente da viúva Elizabeth Teixeira, e o filme se transformou em documentário premiado, inclusive com o prêmio da crítica em Berlim, em 1985.

Nos anos seguintes, Coutinho se dedicou ao documentário, fazendo outros filmes premiados como “Santo Forte”, “Babilônia 2000”, “Edifício Master” e “As Canções”.

Overdose

Tudo indica que uma overdose foi a causa da morte de Philip Seymour Hoffman, um dos atores mais brilhantes de sua geração. Em 2006, ele foi premiado com o Oscar e o Globo de Ouro de melhor ator por “Capote”, de Bennett Miller, filme em que viveu o escritor Truman Capote, autor de “A Sangue Frio”. Ele concorreu ainda três vezes ao Oscar de melhor ator coadjuvante.

Segundo uma fonte policial, o ator foi encontrado no banheiro do apartamento, de shorts e camiseta, com uma seringa no braço. Ele estava sozinho e não havia sinais de medicamentos ou bebidas alcoólicas.

Nascido Philip Hoffman, em julho de 1967, no estado de Nova York, ele acrescentou depois o sobrenome do avô, Seymour. Ele se formou em teatro pela Universidade de Nova York em 1989, passando em seguida por um período de alcoolismo e uso de drogas. Seu primeiro papel de destaque foi em “Boogie Nights”, de Paul Thomas Anderson, seguido de “O Grande Lebowski”, dos irmãos Coen.

 

 
O tempo de conexão expirou.