Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/05 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Filme do brasileiro Karim Aïnouz ganha prêmio Um Certo Olhar no Festival de Cannes

Mostra Genesis, de Sebastião Salgado, é inaugurada em Paris

Mostra Genesis, de Sebastião Salgado, é inaugurada em Paris
 
Mulheres da etnia zo'é, no Pará. Sebastião Salgado

A exposição Genesis, mais novo trabalho de Sebastião Salgado, um dos fotógrafos mais prestigiados do mundo, chega a Paris, na Maison Européenne de la Photographie. São 245 fotos em preto e branco, resultado de oito anos de trabalho e de dezenas de viagens ao redor do mundo. A mostra é dividida em cinco capítulos geográficos: Confins do Sul, Santuários Naturais, África, Terras do Norte e Amazônia e Pantanal.

Como o próprio nome diz, Genesis remete ao início, príncipio. Nenhuma conotação religiosa, apenas o termo usado na bíblia é ideal, explica Salgado. Foi uma busca pelo mundo de lugares, pessoas e animais que ainda guardassem algo de intocado, de límpido. E frágil. Lélia Wanick Salgado, companheira de vida, braço direito e curadora do fotógrafo diz que a ideia surgiu logo após Exodos, que tratou dos movimentos migratórios pelo mundo, uma experiência fantástica, mas dura, de retratar o sofrimento.

A inspiração para Genesis, conta o casal, veio da fazenda da família herdada por Salgado, no interior de Minas Gerais. Eles resolveram replantar a desmatada propriedade e explorar os benefícios ambientais da experiência. Hoje o projeto ambiental ganha amplitude e é um modelo de reflorestamento. Na mostra em Paris, a experiência é documentada em um anexo à exposição.

Ele fala com modéstia, chamando de “sorte” o momento mágico quando congelou, por exemplo, durante um ínfimo momento, um iceberg que lembra um grande castelo. Um pedaço de gelo mutante que pelo olhar de Salgado se transforma em uma fortificação em cenário dramático de nuvens e água.

O Brasil é representado pela natureza do Pantanal e por povos indígenas da Amazônia (Alto Xingu e Pará). Usando as imagens como apoio, Salgado insiste em falar da riqueza e da fragilidade dos povos amazônicos.
 

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.